sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Branca.


- Ô Branca, acordei você? Desculpa, vai. Vira pro lado e dorme mais. Me deixa aqui, te olhando. Tô aqui pensando: já escreveram tanto por aí, já tantas morenas inspiraram canções, e você, minha Branca? Não, não é que te esqueceram, é que você tava guardadinha pra mim. É como se todo mundo fosse uma música em potencial, esperando só alguém pra compor, reparar nos traços, na cor, no jeito bonito de dormir, e transformar enfim em canção. Eu te achei, Branca. E te compus. E te contei pro mundo. Sorri pra mim, Branca. Não, não sorri, vai dormir mais um pouco, vai, desculpa se te acordei. Mas é que você é tão bonita assim, Branca, sabia? Enrolada nesses lençóis que tentam roubar tua cor, com esses olhões que não sabem a cor que têm e seus cabelos pretos esparramados pelo travesseiro. Não, não prende o cabelo, Branca. Ou prende, vai. Deixa aquele caidinho do lado, isso. E aquele outro lá atrás, perto da nuca, assim. Tá linda, Branca. Minha Branca. Ah, Branca, se você soubesse como é bom te ver assim, como é bom te ter por perto, como é bom acordar com você. É tudo céu limpo com você. Branco no branco. Assim. Não tem sujeira, não tem mau humor, não tem nuvem negra, não tem espaço pra mancha de café. Não dá pra explicar, Branca. Só dá vontade de repetir teu nome o tempo todo, e gravar na mente e me convencer de que você está mesmo aqui: amanhecendo comigo. Ah, Branca, quero todo dia um amanhecer com a cor desse teu olhar. Quero acordar com você. Quero me ancorar em você, meu amor. Deixa eu ficar? Não te acordo mais assim, prometo. Eu só quis aproveitar você e te fazer uma cantiga. Não quero dormir, não, Branca, só quero te olhar. Meu sonho tá aqui, não preciso dormir. Não quero te perder de vista nunca mais, esses meus olhos gostaram de você. Ô Branca, desculpa se te acordei, é que acordei com você e nunca mais dormi. Tenho medo, Branca, de perder algum momento teu. Desculpa, amor, mas se te acordo é porque quero sonhar junto contigo. Dorme, Branca, que no silêncio te canto uma canção. Você virou poesia, amor, sorria.

"Branca,
Acordei você, nunca mais dormi
Nem tô querendo mais
Eu tô querendo te olhar."
(Branca - Palavrantiga)

Vale a pena o clique.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Ensaio sobre ele.


Aqui, tão longe, todos esses carros e suas luzes me levam pra você. Todos os caminhos, todas as esquinas, todas as ruas e bifurcações também. Cada pedaço do meu dia, cada piada ruim, cada acontecimento importante ou não, puxam meus pensamentos pela mão e os levam até você. Não tem jeito: só sei pensar em você. Em te encontrar, te contar, te reconquistar. E não importa o que vão pensar, se vai chover ou não amanhã de manhã, se esqueci o guarda-chuva, se vou chegar atrasada, se não vai dar tempo de fazer tudo o que planejei: ter você me acalma, me ensina a ser leve e rir dos imprevistos. Eu te tenho e você me tem, o resto do mundo sai de cena pra nos ver passar. Tem tudo pra ser clichê, mas não é. É real. Tão real como tudo o que você diz, faz, move, pra me ver sorrir. Parece uma história que inventei, mas não é, é a história que a gente escreve, de mãos dadas. E é poesia. Você me poesia, me inspira, me rodopia no ar e o que sobra é só essa menina que resolve acreditar em nós dois mais uma vez e sempre. Que se rende aos seus elogios, à sua entrega, ao seu amor. E acredita que é possível amar assim, que é possível tocar alguém assim: lá no fundo. Você conseguiu, amor, você chegou lá. Ou aqui em mim. Lá no fundo. Onde eu não achei que você conseguiria. Feito flor, você me tira as pétalas, uma a uma, me descobre, dia a dia, e encontra o bem-me-quer. É bom te ter aqui. É mais fácil se você está por perto. Mais bonito também. É bom, amor, é bom te ter tão perto, por perto, tão certo. Você é, de um milhão de jeitos, maneiras e sorrisos diferentes, a melhor coisa que poderia ter me acontecido. Você me aconteceu e acontece em mim todos os dias quando mostra o quanto se importa e quão diferente é dos outros caras lá fora. Você acontece na minha vida todos os dias e eu não quero que isso tenha um fim. Seja lá o que for, fique. Traga de uma vez o que ainda falta, coloca de uma vez por todas o seu perfume pela casa, se acomoda nesse coração que é mais feliz porque te encontrou. Fica aqui comigo, com essa moça que é meio mau-humorada e sentimental, adepta do imprevisível, mas apaixonada por você. Vale a pena cada segundo contigo, cada briga por nada, cada brincadeira que te deixa enciumado, cada brincadeira que me deixa irritada, cada risada e suspiro e beijo e sorriso e olhar e lágrima que sempre é de felicidade. Não é fácil, ainda tenho que vencer tanta coisa pra sentir tudo isso que eu sinto por você, mas não importa. Você me dá forças, me ensina, me dá a mão e me leva pelo caminho que a vida tem pra nós dois. Você me poesia, amor. Me enche de versos, de canções já esquecidas, de sonhos novos e bonitos pra sonhar. Somos poesia. Versos escritos por alguém que sabe o que faz; rimas que combinam o meu jeito torto de amar e me doar com esse seu que é perfeito pra mim. Feito um verso, quero rimar com você. Feito sua eterna bailarina que não sabe dançar: por onde for quero ser seu par.  

"Nem vi você chegar
Foi como ser feliz
Ainda faz um tempo bom
Pra desperdiçar comigo
Podemos enfeitar domingos."
(Cícero - Ensaio sobre ela)

poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...