terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Você - não eu.


Acredita que eu já estive aí? Que antes de você aparecer era pra mim o que ela escrevia? A saudade que sambava no peito dela e que a fazia suspirar, era por mim. Era comigo que ela sonhava antes de dormir. Era comigo que ela desejava estar a cada amanhecer. Era por mim que ela esperava em cada esquina. Ainda tenho tudo o que foi escrito e principalmente: ainda tenho tudo o que foi sentido. Ela não tem mais. Você apareceu no caminho. E o que era meu, de repente transformou-se, ganhou um sentido maior - e uma intensidade também, eu percebi - e tornou-se seu. Acompanhei de longe - e mesmo assim de perto - a felicidade dela. O amor da minha vida também era o da sua, e você, ao contrário de mim, não era cercado de impossibilidades.
Confesso que fiquei triste, seria hipocrisia dizer que não. As pessoas me diziam que se eu a amava mesmo deveria estar feliz por ela, pelo coração dela ter conseguido enfim descanso nos braços de alguém - ainda que não fosse eu. Mas tudo isso é uma porção de filosofia que só serve na teoria, na prática somos todos humanos e morremos um pouco quando o nosso amor encontra abrigo em outro. E eu morri. Todas as vezes em que meu pensamento voou pra onde ela estaria e não mais a encontrou. Todas as vezes em que a janela do msn subiu e era o nome dela com uma foto sua o que aparecia. Todas as vezes em que ela lançava uma frase romântica no ar. Descobri várias formas de morrer e continuar vivendo. Descobri meios de chorar por mim e sorrir por ela. O meu coração encontrou formas de estar partido e continuar batendo. Um dia chorei ao vê-la me tratando de forma tão diferente da anterior, mas não consegui nem por um momento sentir uma fagulha sequer de raiva, só consegui admirar mais aquela menina que foi fiel à você até o fim - em pensamentos, palavras e atos - e que continou sendo minha amiga e se importando comigo porque sabia que o meu coração ainda batia por ela - e ela jamais admitiu que um coração fosse destruído por suas mãos.
Eu a admirei cada vez mais. Essa é só mais uma das coisas que você deve saber: eu a admiro. Admiro a sinceridade que a cerca, os sorrisos sempre exatos, seu jeito meio tímido de dizer o que não sabe ao certo. Admiro a verdade que inunda cada palavra que ela digita e a preocupação que ela tem em usá-las sempre para o bem. Admiro o seu senso de humor tão peculiar, o seu jeito bobo de ficar sem graça com qualquer frase inesperada, a simpatia que oferece a cada um que se aproxima. E eu ficaria aqui, horas e horas, detalhando pra você as qualidades infinitas que eu enxergo na menina que te carrega dentro do coração dela. Todos os dias quando pensava em você andando de mãos dadas com ela, eu me perguntava se você havia conseguido enxergar tudo isso também, se você era capaz de descobrir o que ela deixava pelas entrelinhas e se você entendia a necessidade de ser descoberta que ela possui. Essa menina - que eu amo e que te ama - tem muito a oferecer, mas o fantástico mundo que ela carrega consigo precisa ser descoberto.
Eu não tive tempo de chegar até lá. No meio do meu caminho, você apareceu. Eu te chamaria de pedra se você não fosse tão bom pra ela. Se o coração dela não tivesse conseguido motivos pra sorrir e sonhar ao seu lado. Então depois eu passei a te admirar por ter feito com que ela escolhesse você no meio de tanta gente, por ter atraído sua atenção e descoberto o caminho até o seu mundo. Passei a te invejar. Desejei que fosse eu o navegante desse barco que cruzava os mares do coração dela. Mas era você. E ainda é. Carregamos grandes semelhanças, mas eu não sou você. Ambos tivemos a sorte de termos sido escolhidos, tivemos o prazer de nos banhar em palavras nãão-ditas, tivemos a responsabilidade de fazê-la sorrir. Ambos a amamos. Mas existe a diferença crucial, a reta que te aproxima dela, o sonho que não é mais meu: o amor dela. É teu. Inteiro, do início ao fim, brotando de cada pedacinho do coração que há pouco foi partido. Cada migalha de amor é tua. Se fosse eu, me agarraria à elas com todas as forças por saber que um amor assim a gente não encontra todo dia. Por saber que ser escolhido por ela é coisa rara. Por entender que o que é guardado em estoques tem muito mais valor do que é exposto de uma vez na vitrine. Não desista. Descubra-a. Leia em seus olhos e veja o que ela precisa: você - não eu.

(20/12/10)
Baseado em fatos reais.

2 comentários:

Danii disse...

Faz muuuito tempo que eu não visito o seu blog. E ele continua com textos lindos *-*
Seu texto me emocionou, sério. Me fez lembrar de mim mesma. Acho sublime essa atitude de mesmo amando e querendo estar com a pessoa, você fica feliz por ela estar feliz. Acho que isso sim é amor. Conheci muitas pessoas que me disseram que eu era idiota por pensar assim, que eu tinha é que ter raiva e não querer que a pessoa fosse feliz com outra que não fosse eu. MAS acho que cada um sabe o que é melhor pra si, não é? E se a pessoa que você ama escolheu outro alguém, que seja feliz. E que esse alguém REALMENTE saiba aproveitar, porque mesmo aceitando isso, tudo o que a gente que ama iria querer era um pouco desse amor, como você disse. Bgs e feliz ano novo *-*

Luiza disse...

QUE LINDO GURIA, EU AMEI!
em caixa alta mesmo, de tão lindo que ficou. sabe, quando vejo um amor meu nos braços de outro, eu invejo. eu invejo a capacidade que o outro tem em chamar a atenção do meu amor, e o pior: receber amor dele. como na música Inveja, que eu acho linda. mas realmente, temos pessoas bobas, como eu, que deixam alguns amores por aí. deixando eles morrerem, sem dar atenção. muito lindo, ameiii demais!
um beijo muito grande pra ti e bom 2011, ficou incrível, como você!
obs: passei nos textos anteriores também :)

poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...