segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Quem, além de você?




Imagine se eu não aparecer amanhã. Quem vai exigir de você a força que exijo pra começar uma conversa decente às seis da manhã? Quem vai te surpreender com a pequenez da poesia do cotidiano, com o olhar que durou mais do que o esperado, com a palavra que chegou fora de hora? Quem vai cuidar de você, se preocupar com seus arranhões, te oferecer colo, silêncio e amor? Quem vai te transformar em ser inspirador e te dedicar não só palavras, mas pores-do-sol e toda uma vida? Quem vai decorar teus gostos e nunca mais esquecer? Quem vai provocar teu ciúme, teu orgulho e tuas certezas? Imagina se amanhã o meu sorriso for pra outro e o meu abraço não se encaixar mais no seu, quem vai te segurar se você cair?
E se amanhã você não aparecer, quem vai me fazer rir às sete da manhã com alguma piada ruim ou com um detalhe da vida alheia? Quem vai reforçar todo dia aquele sorriso enorme na minha vida? Quem vai me sufocar com aquela alegria esmagadora que só conheço quando tô do teu lado? Quem vai implicar com a minha falta de jeito e provocar minha timidez? Quem vai me surpreender com alguma resposta inesperada ou com algum sentido subentendido? Quem vai me fazer acreditar que sou única e que o resto do mundo é só uma formiga de nariz vermelho? Quem vai realizar meus sonhos mais pequenininhos e me dar uma porção de sonhos maiores pra sonhar? Quem vai me dar a mão e me apresentar um mundo que eu só conhecia de vista? Quem vai provocar meu ciúme, meu orgulho e minhas certezas? Quem vai me segurar se eu cair?

- Eu.
- Você o quê?
- Eu vou te segurar se você cair.

"Não há você sem mim e eu não existo sem você."*

"Quem vai te abraçar, me fala
Quem vai te socorrer
Quando chover e acabar a luz
Pra quem você vai correr?
Quem vai me levar dentre as estrelas, quem vai fazer
Ttoda manhã me cobrir de luz
Quem além de você?"
(Leoni - Quem, Além de você?)

*Vinícius de Moraes.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Amortecedor, Amor Tecedor.

Encontrei uma palavra curiosa: amortecedor. A encontrei hoje escrita no painel de uma oficina, nada de incomum, afinal, ali se consertava amortecedores. Só que a minha mente de criança imediatamente gostou da palavra e a repetiu inúmeras vezes até que perdesse o sentido. Em determinado momento a palavra não existia mais, tudo o que existia era uma junção dos termos amor e tecedor. E aí começaram minhas filosofias. Tudo porque minha amiga que após uma baita queda, se assustou com a tristeza que sentia: nenhuma. Daí deduzi que ela tinha um amortecedor dentro dela. O amor é o maior tecedor da vida. É ele que sempre encontra um jeito de criar sorriso onde não tem, de costurar com uma linha fininha o coração que há pouco quebrara, de fazer uma teia de coisas bonitas que bloqueie a imundície do mundo lá fora. O amor tecedor amortece ciúmes tecendo a certeza de que ele te ama e jamais te trocaria por ninguém. Amortece dor com música, choro com sorrisos, coração partido com amigos. O amor tecedor e sua teia de coisas bonitas amortecem a queda quando depois de ir às nuvens, somos lançados abruptamente ao chão. O amor tecedor encontra sempre um jeito de tecer a esperança naquele cantinho esquecido do coração. Em todas as vezes que pensei em desistir, o amor veio e teceu a vontade de continuar, a força que havia ficado no meio do caminho. O amor tecedor sempre encontra um jeito de trazer a memória os dias de paz e nos lembrar do que foi tecido naquela época: os abraços à luz da lua, que eram um jeito mudo de dizer que não queríamos mais nada desse mundo; os sorrisos sem razão pela simples felicidade de se estar junto; todos os sonhos sonhados a dois. O amor tecedor insiste até o fim e sabe quando é a hora de parar de tecer em conjunto com um coração e ir procurar outro. Nessas horas o amor tece a esperança de encontrá-lo numa próxima esquina e a vontade de ser uma pessoa melhor e não cometer nenhum erro dessa vez. O amor tecedor tece borboletas num estômago que há muito não sabia o que era tê-las. O amor tecedor tece mãos dadas nos abismos, abraços nas despedidas, beijos onde haveria dor. O amor tecedor nunca para. Se faz frio, nos tece um casaco de lã; quando chega a primavera, nos despe de toda aquela capa e continua a tecer pro próximo inverno. O amor tecedor vai, dia após dia, construindo o colchão fofo que nos acolherá se cairmos. Todo mundo tem um amortecedor dentro de si, a gente descobre que ele existe quando começa a sorrir quando provavelmente choraríamos. O amor tecedor está sempre aí e aqui dentro, tecendo dias felizes, enchendo a gente de esperança e nos incentivando a ir. Porque quedas fazem parte do caminho e inverno sempre vai ser uma estação. Mas vamos ter sempre um colchão fofo, um casaco quentinho pros dias de frio. O amor tecedor estará sempre a amortecer nossos passos. O amor tecedor é o que nos faz suportar os dias - e principalmente as noites.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Em terra de obesos,

quem tem um amigo(r) é rei.

A amizade é um bicho muito sôci. É aquela velha história de não saber por que dá tão certo, por que mundos tão diferentes de repente resolvem que podem andar juntos, por que as tantas risadas levaram a gente até tal ponto. Contigo é por aí mesmo. Um certo dia, quando você ainda era magro e quando eu ainda era quieta, eu ouvi alguém dizer que morava numa terra chamada pau-da-fome e que, por acaso, era o lugar mais perto da minha terra. Era um cara meio boiola, meio magrelo, meio barbado, muito meio marrento, muito palavrudo, muito macho pra caramba. Pra mim, era apenas mais um naquele mar de gente e logo depois tornou-se apenas mais um suicida num 756 sem luz, sem freio, quase sem motor. Até que um dia, sem ao menos conseguir me lembrar quando ou onde, aquele magrelo, além de gordo, tornou-se um grande amigo. Um amigo que, além de dividir seu assento especial comigo, dividia também sua vida, seus amigos, suas histórias, seus segredos e me fazia acreditar que o melhor dos gordos é isso, há lugar de sobra pra um coração enorme. Porque é isso o que me vem à cabeça quando penso em você. Apesar de todas as minhas brincadeiras e implicâncias e chatices e mania de te odiar, não é nada disso que vem na minha mente quando falam sobre você. Pra mim, pensar em Igor é pensar num coração enorme (que explica perfeitamente sua gordura). Pensar em Igor é pensar num cara que empresta dinheiro pras suas amigas mesmo que isso signifique ele não vai comer. É pensar em alguém que anda do lado da rua e desce primeiro do ônibus, só pra se certificar que você não vai morrer por causa de algum maluco do trânsito. Tem gente que estranha aquele cara marrento que bate lá na sala vezenquando e dá uma de dono do lugar, eles não sabem é que isso é só uma pose e por trás dele tem um cara que levanta pra você sentar, cala a boca pra você falar e sente frio pra você se aquecer. Esquece aquela história de te odiar, hoje é teu aniversário e, portanto, eu te amo. Não só hoje e não só porque hoje seja o seu dia. Mas porque você é o melhor amigo do universo inteiro. Porque você me ouve quando eu tô atacada e escuta minhas histórias com a maior paciência do mundo. Porque você me faz companhia quando o mundo fecha a porta na minha cara e me dá um abraço de gordo que esmaga qualquer tristeza que possa existir. Porque você sabe mais do que eu sobre mim e talvez seja a pessoa mais capacitada pra dizer quem eu sou de verdade. Porque você confia em mim e porque eu confio em você. De olhos fechados, de mãos atadas, de boca fechada. Se me largassem no fim do mundo e vendassem meus olhos, atassem minhas mãos e amordaçassem minha boca, eu estaria tranquila se me dissessem que você estaria lá. Porque eu sei que você sempre vai dar um jeito de cuidar de mim. De não me deixar ser atropelada, sentir fome, frio ou dor de cabeça. Eu sei que você sempre vai ter um remédio, um abraço, um sorriso de gordo e uma paciência enorme pra lidar com a minha tpm. É por isso que hoje eu não podia só te mandar um depoimento tão sonhado, eu tinha que te dar o melhor e por enquanto isso é o melhor que eu tenho. Um dia eu vou te dar uma carreta, a fatal, um mês inteiro num spa, contanto que ao emagrecer seu coração não diminua nem um tantinho. Eu te desejo todas as coisas mais bonitas possíveis, um futuro incrível, muito rock'n'roll, menos palavrões, mais risadas, mais histórias pra você me contar, tudo o que todo mundo diz nessas épocas, quero tudo em triplo pra você. E desejo inclusive um pouquinho de vergonha na cara e uma piscina limpa pra você convidar seus amigos. Seja muito feliz fazendo o que você sempre quis. Use sua memória de elefante pra se lembrar sempre de uma chata que deu um jeito de alegrar seus dias com alguma piada sem graça, te contou um milhão de histórias e te deu um milhão de conselhos que nem ela sabia se dariam certo. Eu sei onde você mora, gordo, se algum dia você sumir, eu paro o pau-da-fome pra te encontrar, porque mesmo que eu te odeie por alguns minutos, depois eu sempre arrumo um jeito de te amar mais. Obrigada por tudo. Mesmo. Por trás de toda aquela implicância e todo ódio no coração, tem alguém que te ama pra caramba e não imagina uma rotina sem você.
Parabéns, Igor(do).O mundo (ao menos o meu) é um lugar incrivelmente mais feliz por causa do seu peso.

sábado, 21 de agosto de 2010

Pra melhor-amiga-estrela.


Hoje é só mais um dia vinte e um de agosto pra maioria das pessoas lá fora. Os carros continuam a passar nas ruas, os professores se mantém em suas salas, os navios continuam no mar. Sorrisos continuam a se espalhar, bebês continuam a nascer, as pessoas continuam seguindo sua vida, a levando sabe-se lá pra onde. Hoje é um sábado comum e há promessa de tempo firme. Só que hoje, pra uma menina entre tantas outras, pra aquela menina tricolor em pé na frente da sala falando sobre alguma festa ou algum dinheiro, é um dia diferente, porque hoje, dentro dela, mesmo que imperceptível, alguma coisa muda. A maioridade vem e joga sobre ela uma série de responsabilidades, logo pra ela, a menina que só queria um navio pra comandar e um cara esperando por ela de braços abertos. A maioridade vem e traz consigo uma série de fantasmas. Tudo aquilo que passa na televisão, vive escrito no outdoor, o que martelam todo dia na nossa cabeça. Que é hora de deixar de ser criança, aprender a cozinhar, cuidar da casa, arrumar um emprego (e um marido, pra não ficar pra titia). Eu só quero te pedir, menina, que você não perca nunca essa criança que vive dentro de você e que vez ou outra me convida a correr pelo pátio, cantar músicas em alto e bom som, a exagerar na alegria porque a vida é aqui e agora. E a sua vida hoje ganha mais uma estrelinha. 18 ao total. 18 anos de uma vida regada a chocolate, livros de auto-ajuda, dores no cóxis, chiquititas, galinhas no quintal, flávios dionísios, poses e atitudes ladyanas e tantas outras coisas que foram aos poucos montando a menina que hoje a gente conhece e fica de pé pra aplaudir, paga mico pra homenagear, arma festa pra surpreender. Sempre acreditei que apenas ter estrelas é egoísmo, de nada adianta se a gente não conseguir ser uma também. E você, menina, sem dúvida alguma, sabe bem como ser estrela. Sabe iluminar um dia escuro, sabe brilhar no meio de tanta gente, sabe ser de verdade. Embora não lembre ao certo o dia em que tudo começou, lembro bem de ter descoberto em você a melhor-amiga-estrela-do-mundo. Desde então, continuo do seu lado. Vi você sorrir, chorar, se rebelar, se estressar e no momento seguinte abstrair lendo o seu mais novo livro de auto-ajuda. Vi seu coração ficar enorme, murchar, encher de novo, pra no fim acabar murchando novamente. Nem sempre tive palavras, nem sempre soube o que dizer, mas de alguma forma, eu sempre estive lá. Lembro das nossas inúmeras brigas bobas, nosso estamos de mal que nunca durou mais do que dez minutos, das vezes em que me estressei e discordei de algumas atitudes e prometi pra mim mesma não me meter. Mas eu sempre voltei. Sempre voltei pra amiga que era um pouco irmã, um muito estrela e outro tanto filha. Sempre voltei pra amiga que confiou em mim sem nunca duvidar. Esses dias estive pensando e percebendo que você é o meu oposto e eu sou o seu. Tentei achar explicação pra nossa amizade dar tão certo, mas só descobri que certas coisas não precisam de razão. Daqui a pouco, menina, estaremos em mundos diferentes, você conhecerá outras pessoas, mudará algumas formas de ser e pensar. Mas aqui, quase do outro lado mundo, sempre vai ter um monstro pra te ajudar quando nenhum psicólogo conseguir resolver.

Por isso hoje, vinte e um de agosto, quando você se torna maior, eu só queria te pedir pra não mudar (tá, talvez uma dose menor de estresse e agitação façam bem), pra não deixar ninguém te diminuir, pra não esquecer nunca de que Deus tem algo surpreendente pra você. Eu sei que é clichê e eu já te disse quantas vezes foram possíveis, mas é que eu acredito muito em você. E sei que você vai longe e que eu vou te encontrar daqui a um tempo com o seu marido gato e seus dez filhos (claro que a Nicole vai ser a mais bonita) e você vai estar do jeito que você sonhou, bem-sucedida, com o bolso cheio de dinheiro pra emprestar pra suas amigas da quitinete.
Parabéns por tudo o que você é.
E obrigada por tudo o que você é pra mim.


quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Carta para você não ler.


Amor, essa é mais uma carta pra você não ler. Daquelas que ficam no fundo da gaveta e que são escritas quando não faz sentido escrever uma história que não seja a nossa. Queria inventar uma história, alterar os nomes e jogar sobre outro ombro o peso que tenho carregado. Mas não dá, amor, não consigo ser tão injusta com o que pulsa aqui dentro. Aquilo que dói quando existe e dói ainda mais quando não há. É em nome disso que é e por ser tão forte é que eu escrevo pra você. Ainda que você não leia, escrever me ajuda a organizar o sentimento. É em nome dele que eu continuo aqui. Insistindo no que tanta gente já disse que não tem mais jeito. Mas o amor é assim mesmo, repito pra mim todos os dias. O amor dói. É o que esquecem de escrever nos contos de fada. Não basta encontrar o príncipe, ainda resta uma caminhada inteira a percorrer. Quando a história nos livros acaba é apenas ali que ela começa de verdade. Nunca pensei que fosse fácil, mas achei que fosse mais simples. Ser feliz não precisa ser complicado, precisa? Em nome do amor eu mudei, abri mão de tanta coisa, aprendi a ser sem medo, a deixar de lado o orgulho, a me adequar às projeções que você tinha de mim. Eu descobri que eu posso ser e posso amar e me surpreender todo dia com o tamanho de tudo o que sou. Eu fui deitar tantos dias pensando em maneiras de levar isso adiante e crescer a cada dia e nunca deixar morrer. Eu chorei por toda distância, por toda culpa que foi lançada sobre mim, por todo medo de perder você e deixar de ser alguém que te orgulhasse. Senti medo mais do que imaginei sentir, senti ciúme quando achei que ele jamais bateria à minha porta, fui insegura tantas vezes, ameacei te abraçar e tive medo de te prender, quando tudo o que eu queria era bem isso mesmo: te prender nos meus braços e nunca mais te deixar ir. Te abracei hoje dessa forma, te esmaguei mesmo com meus braços fracos, num grito mudo pra que você entendesse que o seu lugar era ali e fim. E que era ali que eu precisava de você o tempo todo e que se a força acabasse você me desse de novo o combustível maior do mundo: o amor. Senti falta dele hoje e chorei ao te dizer tchau. Chorei porque as coisas não seguem o caminho que sonhei pra elas e quando isso acontece, minha vontade é de jogar tudo no lixo e começar do zero. Por isso, vou levantar agora e transformar o mundo que hoje amanheceu frio e escuro, mesmo depois de um dia de sol. Vou levantar amanhã e te encontrar por uma outra primeira vez, te beijar como aquele dia no banco da praça, te dar a mão como na nossa primeira ida ao cinema. Vou colocar uma carta na sua mochila, um recado no bolso da sua camisa, me apaixonar de novo pelo cara que é a única excessão no meio de tanta gente. Não temos mais tempo pra nos acomodarmos no mesmo lugar, é hora de ser de verdade. Existem três palavras presas em algum lugar aqui dentro esperando a hora de serem ditas. Existem planos secretos, surpresas arquitetadas, tantos sonhos a serem vividos. Se hoje a minha voz falhou, amanhã ela gritará no seu ouvido que não vive sem você. Daqui a pouco é um novo dia. Daqui a pouco o sol volta a brilhar. Daqui a pouco eu encontro o seu sorriso vindo de encontro ao meu. Daqui a pouco é a hora de começar. E de ser. E de amar, amor.

sábado, 14 de agosto de 2010

Para o menino da casa ao lado.

Oi, menino, talvez você se assuste ao ver essa carta embaixo da sua porta e me ache uma louca por te escrever sem nem ao menos saber teu nome. É verdade, não sei, mas ainda assim sinto te conhecer tanto. Te vejo todos os dias e sei que você me vê também. Já nos cumprimentamos algumas vezes com pequenos acenos e movimentos de cabeça enquanto olhávamos por nossas janelas. Eu, à eterna espera de um vento que trouxesse todas as respostas pras perguntas que eu insistia em fazer. Você, apenas olhando as estrelas ou até lançando perguntas ao vento também, quem é que sabe. Compartilhamos o céu e o silêncio através de nossas varandas. Com ventos fortes ou chuva, de qualquer jeito estávamos lá todas as noites. Às vezes com livros, outras com papel e caneta, outras só com a gente mesmo. Você de um lado e eu de outro, tão estranhos e ainda assim tão próximos e tão pequenos diante de um céu imenso. Era tão normal você aparecer que naquele dia em você não apareceu, eu perguntei ao vento o que teria acontecido. Foi então que te vi colocar algumas coisas numa caixa e arremessar outras contra a parede. Te vi jogar papéis pela janela e pude jurar que você estava chorando quando fechou a janela. Desde esse dia você nunca mais olhou as estrelas. Você nunca mais lançou perguntas ao vento. Talvez essas perguntas não façam mais sentido pra você agora. Talvez as estrelas não brilhem como antes. Talvez seu coração esteja dentro daquela caixa, indo embora pra longe no caminhão de lixo que acaba de passar ou esteja no chão, em mil pedaços junto com os cacos de vidro do porta-retrato que você jogou longe. Eu sou só uma estranha, eu sei, mas eu queria te dizer que eu já me senti assim. Parece que o chão abriu, o céu escureceu e as palavras perderam o sentido. Parece que o coração nunca mais será o mesmo e nunca mais se abrirá novamente. Parece que não vai passar, mas passa, menino. Eu juro. Aqui, na China, em Madagascar, essas coisas vivem acontecendo. O que seria das estrelas se logo após uma decepção as pessoas desistissem delas? Com certeza brilhariam menos. Por isso, menino, não some. A dor não é o fim. É só o começo pro que ainda virá. Eu sei que parece difícil acreditar que o que um dia foi tão bonito fosse destinado a morrer numa noite de sábado, entre cacos de vidro no chão, papéis jogados pela janela e coração em mil pedaços. Mas você precisa levantar, menino, você precisa ver, o céu anda cada vez mais estrelado, as estrelas continuam a aparecer e a lua fica mais cheia a cada dia. O tempo não vai parar pra você consertar seu coração, menino. Amanhã eu te espero. No mesmo horário de sempre. Quando ainda seremos estranhos, mas haverá alguma coisa que nos une e que sempre nos uniu: um coração que já foi partido. Sabe, menino, acho que é pra isso que as estrelas existem: pra nos lembrar que sempre vão haver noites escuras na vida, mas sempre vai ter pelo menos um pontinho brilhante no céu pra nos fazer acreditar de novo. Aparece amanhã, menino, se ainda não estiver pronto pra olhar pro céu, olha pra minha varanda, talvez eu não seja tão brilhante quanto uma estrela, mas posso ser o seu pontinho de luz numa noite escura.
Até amanhã,
da menina da casa ao lado.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Carta para além dos muros.

Amor, hoje faz tanto frio aqui, meus dedos quase não conseguem escrever, mas eu sei que além desse muro brilha um sol sem tamanho. Ali, do outro lado do muro, faz sol todo dia. Talvez não no céu, mas sempre em algum lugar dentro da gente. É onde eu gostaria de estar com você, além de tudo o que nos cerca. Não sei como permitimos que esse muro crescesse e nos imobilizasse, foi como se no instante em que demos as mãos, demos motivos pra que ele existisse. Esse muro que nos prende, sufoca todo o amor que a gente tem e o esmaga até que fique de forma aceitável pra eles, gente do lado de cá. Além dele é onde somos maiores, melhores e um do outro enfim. Meus maiores sonhos estão do outro lado, nossas maiores realizações também. Além desse muro, há pores-do-sol esperando por nós numa praia a tardinha, há jantares sob um céu improvisado, há nós dois como jamais existiu. Se eu voasse, o ultrapassaria por cima. Se existisse em mim força suficiente, o arrancaria do caminho. Mas meus braços são fracos e minhas asas vivem nos sonhos, por isso só me resta tirar um tijolo por dia. Perdão por nossos contatos raros e superficiais, mas não dá pra ser diferente se ainda há um muro nos cercando. Perdão se às vezes esqueço de aparecer, mas nesses dias trabalho em tijolos distantes, que exigem um cuidado maior e não posso desviar a atenção. Faz tempo que não recebo uma carta sua, mas imagino que esteja bem. Seus gostos continuam os mesmos? Seus sonhos ainda estão no mesmo lugar? De alguma forma, tudo em mim continua o mesmo. Continuo preferindo escrever do que falar, letras à números, sorrisos à lágrimas. Meu sonho ainda é ter uma família fofinha com um cara que pareça pai, mas seja novo e alto, daquele jeito que eu sempre suspirei no seu ouvido ao ver um casal na pracinha. Minha maior ambição ainda é essa, não ligo muito pra condição social, basta colocar uma família de pé. Eu sei, você vai dizer que o amor não enche barriga, mas eu sinto todos os dias que o que me mantém de pé ainda é o amor. Estamos de pé, amor? Logo estaremos além disso tudo e toda essa distância que enfrentamos será apenas uma prova de que o nosso amor era mesmo pra ir além. Além desse muro deve haver um mundo inteiro esperando por nós. Além dele é onde usamos nossas roupas mais bonitas, sorrimos nossos sorrisos mais verdadeiros e compartilhamos tudo que andamos vivendo por aí. Além do muro há espaço suficiente pro nosso amor enorme, pras nossas mãos dadas, pra nossa risada nada discreta. Além do muro todos os finais de filme são nossos, se estivermos assistindo ou não, não importa. Além do muro a gente não precisa de motivos, desculpas, disfarces. Além desse muro, que também é horizonte, deve ter algum lugar bonito pra gente viver em paz. Além daqui eu quero recuperar tudo o que a gente sonhou e teve que abrir mão pra que não houvesse nenhuma forma de estranhamento. Além do muro quero você só pra mim. Todos os dias. Já estivemos lá algumas vezes, talvez você se lembre, mas nunca durou o pra sempre tão esperado. Da próxima vez, amor, eu juro, o pra sempre há de existir. E se não for como a gente sonhou, será ainda melhor.
Não demora muito, amor. Junto com a carta te mando a pétala de uma flor que nasceu nesse lado do muro, as outras estão aqui pelo chão esperando a hora de serem varridas pelo vento. Te mando essa porque parou em bem-me-quer. É quase uma súplica pra que você continue me querendo bem por todo o tempo e espere até que esse muro venha ao chão e sejamos felizes além dele. Tudo o que vivemos mesmo com esse muro é só um ensaio do que ainda virá. É só um tempo pra gente descobrir o que fazer e fazer certo. Pra gente se propor a ser diferente, a ser de verdade, a ser sem medo. O além do muro é logo ali, estamos a um passo e alguns tijolos de chegar. Eu te amo, amor, e juntos vamos além. Muito além do muro, muito além das estrelas, muito além do fim. E estamos cada vez mais perto de chegar.


"Existe um lugar bonito e tranquilo pra gente se amar.
Lá nesse lugar o amanhecer é lindo,
Com flores festejando mais um dia que vem vindo.
Onde a gente pode se deitar no campo,

se amar na relva escutando o canto dos pássaros".

poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...