quinta-feira, 29 de julho de 2010

Sobre cartões, opostos que se atraem e surpresas da vida.

Em uma de minhas sagas pelas livrarias desse mundo, tive o prazer de ler partes do livro doidas e santas, da martha medeiros. Muito em dúvida sobre qual crônica ler antes de ir embora, fiz aquela brincadeirinha básica e disse a mim mesma: a primeira em que o olho bater, você lê. Se for boa, vai embora, se não, parte pra próxima. Meu olhinho sagaz foi direto numa crônica titulada "O Cartão". É sobre uma menina que era apaixonada pelo cara mais bonito do colégio e vivia a sonhar com o dia em que deixaria de ser invisível pra ele. Até que no dia do aniversário dela, o porteiro a entrega um cartão e ao ler, ela descobre que é dele. Sim, o cara-mais-lindo-e-mais-impossível a estava mandando um cartão dizendo coisas lindas, que provavelmente iam além do sonho. E o que ela fez? correu atrás dele? não, duvidou. Ligou pra todas as amigas e disse que tinha descoberto a pegadinha e que quase havia caído, mas era mais esperta, afinal, ele jamais a olharia. Era perfeito demais e ela, coitada, não chegava nem na unha do dedinho do pé dele. O cartão foi esquecido porque as dúvidas o soterraram. A crônica continua e a menina encontra com o tal cara andando na rua, ele não perde tempo e pergunta: recebeu o cartão? a menina, pra não dizer que o achava superior a qualquer ser e demais pro pobre e fraco caminhãozinho dela, pergunta: Que cartão? Finge que nada aconteceu, que um cartão não mudou uma noite, que o coração dela não ficou gigante com as palavras que leu. E seguem suas vidas, até se relacionam alguns anos depois, mas nada é como antes e a menina se pergunta todos os dias o que teria acontecido se no dia em que recebeu o cartão ela tivesse ligado pra ele. No final a autora, mais caridosa impossível, nos ensina que o medo é o que nos boicota todos os dias. A menina, temendo cair numa piada, perdeu o possível grande amor que ela tanto almejava. Temendo ser inferior, perdeu a chance de crescer e se tornar maior. A autora encerra e diz que pessoas especiais se apaixonam por pessoas normais o tempo todo. Por quê? Ninguém sabe. Mas talvez seja porque todo mundo, desde o mais pequenininho, até aquele ali esquecido no canto com vergonha de sorrir e mostrar seus dentes amarelos, merece um presente e uma surpresa da vida.
Esses dias, conversando com umas amigas sobre uma conhecida em comum, nos surpreendemos porque a dita cuja, que está longe dos padrões de revista, longe de ser a mais bonita de qualquer lugar em que esteja - pasmem! - está noiva. Encontrou a tampa da panela, a metade da laranja, o chinelo velho pro seu pé tão cansado. Atire a pedra quem nunca olhou um casal na rua e se perguntou o que um havia visto no outro. O quê aquela executiva faz com aquele motoboy que não tem onde cair morto? O quê aquele cara sarado faz com aquela menina que há meses não segue a dieta que seu médico receitou? Digo isso porque a minha pedra continua escondida e com vergonha dentro do meu bolso. Não consigo contar nos meus dedos as vezes em que minha mente trabalhou e me fez questionar o amor. São coisas assim que nos fazem nos perguntar todos os dias, por que não eu, que sou culta, me visto bem, tenho cabelo liso, formas de causar inveja em muita capa de revista? Por que o amor insiste tanto em fugir a toda e qualquer regra? A gente se pergunta tudo isso mesmo sabendo que o amor não sabe nada sobre regras. O cupido vai lá, acerta a flecha e pronto.
Terminei nossa conversa dizendo que acreditava e apostava todas as fichas no fato de que cada um tem sim a sua metade reservada e perdida por algum canto desse planeta. E um dia ela chega. Nem sempre do jeito que a gente espera, nem com o corte de cabelo ou com a conta bancária dos sonhos. O amor da sua vida pode chegar suado, com roupas velhas e fusca. Baixinhos se apaixonam por jogadoras de vôlei. Nerds se apaixonam por garotas com boletim representando o mar vermelho. Patricinhas se apaixonam por bandidos. Rockeiros se apaixonam por funkeiros. Acontece o tempo todo. Opostos que se atraem? Não sei. Mas prefiro ficar com minha filosofia de menina apaixonada e acreditar que em algum lugar lá em cima, alguém já determinou uma companhia pra cada coração solitário num sábado à noite. É tudo uma questão de tempo. Um dia desses seu material vai cair no chão, um cara vai te ajudar a pegar e pimba! cupido entrando em ação. Um dia desses o telefone vai tocar e vai ser aquele cara pra quem você já nem lembrava mais que tinha dado o número. Um dia desses o porteiro vai te entregar um cartão. Não tenha medo de acreditar, de responder o telefonema e aceitar o convite pra jantar. Não tenha medo de ser uma farsa, coisa da sua cabeça, tenha medo de não viver. Se a gente cair, arruma-se um jeito de se levantar. Choro um dia acaba, decepção dói mas passa. A dúvida que fica na mente quando a gente não tenta, fica pra sempre.
Já dizia Martha, pessoas especiais se apaixonam por pessoas normais o tempo todo. É um presente da vida. Abra-o. O coloque em lugar especial. Se coloque em lugar especial e logo o será. Se seu caminhão estiver sem forças, reabasteça-o com uma dose de amor próprio. Se o espelho estiver contra você, olhe-se naquele em que a luz te favorece. Dia ruim? permita-se ser fútil por um dia e arrume-se. Faça cabelo, unha, coloque sua melhor roupa pra ir dar uma volta no shopping. É aquele velho clichê, se você não se amar, os outros também não verão motivo pra isso. E se a menina da crônica decidisse que era especial também e que era óbvio que o cara se apaixonaria por ela? Com certeza haveria um cartão respondido e um abraço resgatado do sonho.
O chinelo pro seu pé cansado está andando por aí e espera te encontrar disposta e pronta a ir com ele. Descobrir novos mundos. Comprovar que o amor não segue nenhuma regra. Não ligue se ele não for como o cara dos seus sonhos provavelmente seria. A vida adora nos pregar peças e o mundo precisa mesmo de casais que fogem à regra pra provar que o amor fala mais alto. A gente precisa de um amor que bagunce todas as certezas pra provar que cada um tem lá sua especialidade. Os corações precisam de surpresas da vida pra continuar acreditando.
Cartões aparecem todos os dias na nossa frente, em diversas formas. Cabe a nós jogá-los no lixo ou lê-los com mais cuidado e descobrir quem está por trás dele.

_________________

Falei muito, eu sei. Fiz uma mistura enorme e que talvez não faça sentido, mas que disse tudo o que tava preso aqui durante o dia todo.

10 comentários:

Pelo amor ou pela dor .. ! * disse...

O texto lindo, e tão bom que te prende. Tanto é que eu nem percebi que tinha lido tudo, em tão pouco tempo.Esse livro da Martha, parece ser muito bom, e bem dentro da realidade.

Te sigo, sempre.

Marcelly M. disse...

Lindo demais bebê! Me deu uma sensação de otimismo e esperança rs ;p
Ps: Tá tudo lindo demais por aqui *--*

Mandy disse...

Sério, você é incrivel! Passei o dia todo pensando nesse assunto viu. Em como as coisas que tem que acontecer acontecem, em como o destino mexe no futuro das pessoas e coisas do tipo. Mas tudo relacionado ao amor. Comecei e terminei de ler o livro "Querido John" hoje, e sabe, acho que você iria adorar tambem. Bom, comentei sobre ele por um motivo muito simples.. Toda história de amor acontece por algum motivo, mas não é só o tempo, e a distância, e o destino e até mesmo Deus (como muitos falam) os unicos responsáveis por dar certo ou não. Depende de cada um.
E é mais ou menos dessa forma ai que você falou. Porque não dar uma chance pro tal autor do cartão? Porque não sair um pouco mais arrumada naquele dia? Ou porque não se atrasar alguns minutinhos? Coisas acontecem a todo momento, principalmente em relação a esse assunto.
Enfim, vou ler o outro texto que eu 'deixei passar'. Senti falta de passar por aqui viu. :)
Beijoos
Mandy

Evelyn Ceinwyn . disse...

Como sempre teus textos falam tudo!
O medo nos impede de termos tantas coisas, que se não fosse esse próprio medo de tentar, de se entregar, de ajustar, teriamos.

Nicole que lindo comentário! Cada dia me encanto mais conitgo, e com teus escritos. continue escrevendo, por favor!

Karine Melo disse...

E você disse tudo!

beijos, querida!

bom final de semana :*

Luiza disse...

Adorei você inovando na sua forma de escrever. Acho que você que escreve bem, vai arrasar com qualquer texto, qualquer soma de linhas. Beijos

Luiza disse...

ah já ia me esquecendo, eu li esse livro, adorei, a Martha é diva *-* e certamente, o menino dos nossos sonhos não chega aos pés do meninos que nos dá as mãos, nos completa. papai do céu que ajude neh...

dianaBruna disse...

Não ficou confuso. Ficou bem claro!
O amor não segue regras, não tem fórmulas prontas, une iguais e opostos, apenas pela pura vontade de unir dois corações.
Lindo!!

Girl iB disse...

Nossa, que reflexão maravilhosa!
O medo é o nosso maior defeito, mesmo dizendo que não temos, impossível alguem nao sentir medo .. e tentar, de errar. e isso nos prejudica um tanto. eu mesma sempre passo por isso. eu sempre tenho medo de me arriscar e depois fico me sentindo mal por nao ter o feito. Voce abriu meus olhos, obrigada Nicole :)

Gaby Pereira disse...

Que texto lindo. E é claro que faz sentido...
;*

poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...