sexta-feira, 7 de maio de 2010

Para a menina da cadeira ao lado.


Era uma vez uma menina. Calada, comportada, ilegível. Dona de sorrisos sinceros, ideias mirabolantes, pensamentos secretos. Menina-Moleca, Moleca-Menina. Vivia num mundo roxo e preto, regado a rock'n'roll. Só dela. Ninguém ia lá. Ninguém nunca sabia o que acontecia naquela terra de ninguém, só dela. Mas a menina, ainda que ilegível, tinha uma marca que denunciava o que sentia. A menina tinha um sorriso. Daqueles que são mesmo a janela da alma (ou do mundo roxo e preto). Por onde passava a menina sorria e se deixava lembrar por aquele sorriso e fazia dele um convite àquele mundo até então impenetrável. Um dia aquela menina, quieta que só, permitiu que eu me aproximasse. E eu, que nada tinha a oferecer, ofereci apenas um lugar pra que ela pudesse colocar sua cadeira. E ali eu soube que, embora ainda houvesse um abismo entre nossas cadeiras, o meu mundo e o mundo dela um dia seriam amigos. Nossas cadeiras viviam na casa 2106, uma casa grande, cheia de estrelas. E, aos poucos, o mundo daquela menina, que era roxo e preto, ficou roxo, preto e estrelado. A menina, que sempre foi pequenininha, foi crescendo. E se tornando mais amiga, mais legível, mais estrela. Um dia, depois que nossas cadeiras já haviam mudado de casa duas vezes, eu lembrei daquele espaço. Aquele pequeno abismo que nos separava. Nesse dia eu me dei conta que ali havia uma pequena semente crescendo, não só a sementinha do mal que em breve a menina se tornaria, mas também a semente da amizade. E hoje, dois anos depois, agora que nossas cadeiras habitam na casa 1305, eu olhei pra aquele abismo e me dei conta de que ele não existe mais. Evaporou, foi morrendo aos pouquinhos, virando nada. Aquele abismo foi sendo soterrado ao longo dos anos porque nós fomos depositando ali sorrisos, conversas, abraços e canções. A menina do mundo roxo, preto e estrelado, havia permitido que eu entrasse naquele universo só dela através da nossa ponte de estrelas. E agora que nossas cadeiras se uniram, agora que a menina se tornou tão sementinha do mal quanto eu, agora que descobrimos aos poucos o mundo uma da outra, só me resta parabenizar a menina. Que cresceu, não no tamanho e além da idade, cresceu dentro de mim. Que seu mundo roxo e preto, menina, continue dando milhões de motivos pra que seu sorriso exista. Que nosso mundo estrelado sirva cada vez mais pra iluminar o seu mundo. Que nossos mundos permaneçam unidos mesmo quando os caminhos forem separados. Parabéns para a menina que hoje se torna mais menina, mais mulher, mais moleca. Parabéns pra dona do mundo que é só dela, mas que vai se abrindo um pouco mais a cada dia. Parabéns pra menina do sorriso colgatiante. Pra dona da cadeira ao lado. Pra uma de nossas chiquititas. Pra integrante indispensável do nosso quarteto. Pra mais nova sementinha do mal. Parabéns pra menina que hoje se torna mais estrela. Parabéns pra menina Laura Barbosa. A amiga que eu descobri um pouco tarde, mas que quero descobrir mais enquanto é cedo. Feliz aniversário, menina, eu amo você. E a minha cadeira permanece aqui do seu lado, é só chamar, pro que for.

5 comentários:

Luiza disse...

você é um amor menina! que graça presentear uma amiga sim, e que bom que você tem uma amiga que gosta tanto e te faz bem. beijos

Lauriinha disse...

Ela fez um texto só pra mim! *O*
Perfeito, niiiic :'D
MUUUUUUUUUUUUITO OBRIGADA. Mesmo.
*-----*
♥Lb.

Trashy Fame disse...

oiie *-* estou seguindo seu blog, amei ele ! depois se der dá uma passadinha no meu http://thetrashyfame.blogspot.com/
espero que goste

Mandy disse...

Ta lindo esse texto *-* Parabéns ai pra menina que é dona da cadeira do lado. E não esquece nunca, uma amizade assim deve ser muito cultivada. :D
Felicidades pras duas, e aparece mais Nick.
Beijoos
Mandy

Marcos disse...

Laurinha e seu simples, porém de todo o coração, sorriso colgatiante rsrs.

Ainda nossa Stary Doll de pano rs

poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...