quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Desde quando você se foi.

Não tenho, e não sei, o que escrever. Mas ainda assim alguma coisa aqui dentro pulsa, grita e incomoda, me fazendo escrever essas palavras soltas, talvez desconexas, que saem de um lugar tão profundo quanto eu jamais imaginei existir em mim. Desde que eu te expulsei de dentro de mim, as coisas andam assim. Sem sentido, soltas por aí. Mas penso que se me sobram palavras é porque algum resquício seu deve existir ainda em mim. Talvez esteja bem lá naquele lugar profundo, enraizado, me fazendo escrever coisas que já deveriam estar esquecidas. Coisas que eu já tinha prometido pra mim e pra tanta gente que não escreveria mais. Coisas que já estavam ficando conhecidas como passado. Aquele tipo de passado que a gente consegue deixar pra trás e seguir a vida. São coisas que já foram ditas um bocado de vezes, que agora soam repetitivas, mas ainda assim precisam ser ditas, ou reditas, não importa. Coisas não tão importantes assim, mas com uma urgência que não cabe em mim. Eu me sinto impulsionada a escrever que você é tudo o que eu vejo e faço e procuro e sinto e vivo. Nas ruas, em casa ou fora do país, ainda é você que eu procuro encontrar. Quando alguém me chama em algum lugar, meus instintos insistem em achar que é você, mas não é. Nunca é você, em lugar nenhum, em pessoa nenhuma, mas ainda assim, tudo é você. Quando eu faço alguém feliz, quando conto uma piada sem graça ou quando choro por qualquer motivo, tudo é você. Um topete, um sorriso, um abraço, tudo é você. Quando eu canto no chuveiro, quando leio um livro ou vejo um filme, tudo é você. Eu fui mais você do que eu fui qualquer outra pessoa da minha vida*. Eu sempre esperei te encontrar em qualquer lugar, a qualquer hora, com qualquer humor, só pra lembrar de como era me sentir em sua presença tão intimidadora. E eu sempre estive disposta a dizer sim, a aparecer em restaurantes, cinemas ou parques. Eu sempre estive pronta pra dizer todas aquelas coisas que sempre existiram e nunca saíram do papel. Todas aquelas coisas sobre as quais eu já escrevi uma porção de vezes e ainda assim torno a repetir agora, talvez porque acredite que haja em você alguma mudança de pensamento, de sentimento, e agora você esteja pronto pra compreender todas essas melodizes que te escrevo sempre. É, te escrevo o de sempre, mas não como a de sempre. A de sempre te esperava e vivia em função disso. A de agora te espera, mas entende que lá fora há bilhões de pessoas que merecem ser vistas. A de sempre te escreveu uma porção de palavras na esperança de que você as lesse um dia. A de agora escreve porque esse é o único meio de pôr pra fora coisas que estavam acumulando, quase como um lixo, do lado de dentro. Embora as duas te amem, a de agora aprendeu uma forma diferente, e mais forte, acredito eu, do amor. A de sempre se zangava com seus silêncios, esperava sempre teu bom humor e um eu te amo meio jogado no fim da conversa. A de agora te entende quando as palavras calam, te anima quando o humor falta e te oferece amor mais do que aquele que só existe na palavra. Sim, eu precisava escrever só pra deixar isso claro: agora, que você foi embora e certas expectativas também, eu aprendi a amar você e a entender o teu amor. Era preciso que fosse assim, veja bem, era preciso que a sua partida me fizesse descobrir essas coisas a respeito do amor.
Reencontros estão sempre por aí, recomeços também. O fim nem sempre é o fim. O amor não é só risos, abraços e palavras bonitinhas. E como já dizem por aí: o destino é a ponte que a gente constrói até a pessoa amada**.
Agora, pare e escute: eu amo você, mais do que nunca, com um tipo de amor que eu nunca senti. E toma esse texto. É a minha ponte até você.
__________________________________________

* essa frase é da Tati Bernardi.
** essa frase é do filme as ironias do amor.
Enfim, só resta agradecer a todos vocês pela paciência, pelo carinho, pelo incentivo. Vocês são os caras.
Obrigada também a Mandy pelos selos, assim que tiver um tempinho os coloco aqui.

18 comentários:

Luiza disse...

eu quase chorei, sério. e ficou ótimo assim. todo o sentimento do texto me envolveu. ficou tão bom, tão..
parabéns *-*

Little dreamer disse...

Vc nunca faz textos sem sentido.
99,9% das pessoas, tenho certeza q se identificam. Vc manda sempre mto bem Nic, brigado por falar tanto por mim .

Giovanna disse...

que lindo, Oo uma real declaração de todo um amor guardado em palavras.

Mandy disse...

Sabe o que eu acho mais engraçado de todos os nossos textos e pensamentos e sentimentos? Essa coisa de eu ler o que vc escreveu, e me sentir como personagem principal de tudo isso.
Hoje falei com meu ex. Aquele que tinha 'morrido' aqui dentro de mim. E o pior de tudo é que eu voltei a sentir tudo o que eu sempre senti por ele. E, como vc falou no texto, a Mandy de agora não se iludi mais. A de sempre ficaria boba, acreditaria que tudo voltaria ao normal, e que depois de todos aqueles 'eu te amo' tudo ficaria bem. A de agora sabe que ama ele mais que tudo, só que aprendeu a viver sem ele. A de sempre morreria se não tivesse ele pra sempre. A de agora olhou pro mundo e disse 'eu quero viver'.
Enfim, acho que vc meio que entendeu um pouco a semelhança. Adoro seus textos, e vc merece sim todos aqueles selinhos.
Um beijão linda
Mandy

Danii Ferreira disse...

eu me identifiquei demaais com absolutamente tudo'
é exatamente isso o que eu vivo' sabe?
essa coisa toda de ser alguém antes e ser outra pessoa agora é tão estranha sabe? sabe quando você acredita em um futuro, mas ao mesmo tempo ignora todas as possibilidades porque já não tem mais esperanaça?
daqui a pouco escrevo um texto aqui'
aksokaspaoksas. Sério, o texto é lindo', mágico e tudo muito verdadeiro. Parabééns (:
to te seguindoo' *-*

Beeijo'

Nat ♥ disse...

ficou lindo! lindo mesmo. Gostoso de ler. :*

Pri (: disse...

profuundo :x
-
A-M-O-R, ô sentimentozinho complicado, viiu ? ;@

dianaBruna disse...

Um texto enorme que eu achei que nem fosse acabar de ler, mas tão intenso e bem escrito que eu não consegui parar até chegar ao fim.
Um bjo
:D

Luh* disse...

Que lindo, acho que amor para ser amor tem que ter sofrimento.
''E como já dizem por aí: o destino é a ponte que a gente constrói até a pessoa amada''
beijos

Natí disse...

Nossa, amei de verdade,o sentimento transferido em palavras, e as vezes realmente temos que ser mais a pessoa que amamos do que nós mesmo para entender um pouco dessa complexidade que nos deixa louca dos dois sentidos. amei seu blog, to seguindo :*

juu . disse...

se você colocasse 'é só de amor que eu sei falar' no seu texto dava pra participar do bloínquês :) rs.
que lindo o texto *------------*
enfim, bom feriado, juizo, moderação *-* beijos. se cuida.

Gabriela S. * disse...

eu ADORO SEU BLOG,parabéns querida pelo texto de verdade.texto lindo.
PARABÉNS,beijos e sucesso !

Regina Zanette disse...

"Eu me sinto impulsionada a escrever que você é tudo o que eu vejo e faço e procuro e sinto e vivo."

Parece citado como tema dos teus ultimos textos. Não só dos teus, como dos meus e de tantos outros que passam por aqui.

Gio disse...

Alguns fins podem ser um perfeito começo. E eu não tenho nada que dizer do seu texto, eles sempre me cativam, me acolhem, sempre são perfeitos.
Obrigada por sempre passar no meu blog, você não sabe o quanto significa pra mim.

Bells disse...

Como sempre, perfeito, sempre gostoso de ler, sempre abrindo meus olhos, aah você sabe como são boms, tá otimo parabéns bj :*

a Amanda disse...

É, muita gente, não só eu, ainda ama aquele alguém que passou...

"Reencontros estão sempre por aí, recomeços também. O fim nem sempre é o fim."

Lindo!

Tudo Girl! disse...

aain q texto liindo!
agora to curiosa, quero assistir esse filme! ♥

to seguindo, segue tbm? *-*
http://tudogirl-byamanda.blogspot.com/

bjs :*

TalitaSantos disse...

Nossa parece Que era eu escrevendo esse texto . Ficou muito divo. Quasi chorei *-*

poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...