quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Amor,

talvez leve a vida inteira o que me diz o seu olhar.


É uma noite como outra qualquer, mas algo incomparável está para acontecer. Ele está numa mesa rodeado de amigos, o salão está repleto de gente. Ele e os amigos estão avaliando as meninas. Seus amigos já têm suas preferidas, mas ele parece estar querendo um algo mais. A música está alta, a pista está cheia e a conversa animada, mas de repente alguma coisa acontece. A temperatura aumentou, a música diminui, na verdade parece que tudo está em câmera lenta. É como se o mundo todo tivesse parado pra observar o espetáculo. Mas não foi qualquer mundo que parou, não foi o mundo de todo mundo, foi o mundo dele, e só, que naquele momento deu uma freada brusca pra observar o que acabara de chegar. Cinco meninas, distribuindo sorrisos e atravessando o salão. Para a maioria ali eram apenas mais uma parte dos convidados. Para ele não. Quer dizer, quatro meninas ali eram sim apenas mais alguns dos convidados. Não ela. Ela era a peça que faltava naquele salão, era o complemento da alegria. O que ele não podia imaginar era que a partir dali era seria a grande fonte de alegria da vida dele. Você deve estar pensando que ela era a menina mais bonita, com um vestido elegante e gestos exagerados. Lamento te desapontar, caro leitor, dizendo que ela era justamente o contrário. Estava longe de ser a mais bonita daquele salão, seu vestido não era lá grandes coisas, sua risada era tímida, seus olhos misteriosos. Na verdade se tinha alguém naquele grupo que raramente chamava a atenção, era ela. Mas havia algo, além do seu sorriso que havia prendido de tal forma a atenção dele. E agora, lá estavam eles. Ele está parado no meio da pista, olhos fixos nela. Ela, parada do meio do salão, percebeu há algum tempo que um garoto estranho estava a observá-la. Percebeu então, ao olhá-lo nos olhos que aquele não era apenas um dos menininhos que estão soltos por aí. Ela viu nos olhos daquele garoto estranho que ele tinha um algo mais. Ele viu nos olhos dela a vontade de tentar algo novo, junto com o medo de se machucar. E de repente, sem perceber, estavam caminhando um em direção ao outro. Pra eles não existia ninguém naquele salão, apenas quatro olhos que se liam e quatro mãos que buscavam incessantemente se tocar. A música e as conversas cessaram completamente. As pessoas pararam pra assistir. Todos esperavam por um longo e apaixonado beijo, mas como essa história não é nada convencional, o que aconteceu foi que assim que aqueles olhos se entenderam, assim que as mãos se encontraram, caíram num abraço. E ficaram assim por muito tempo. As pessoas voltaram a fazer o que faziam antes, decepcionadas com o fim daquela história. A música voltou a tocar e eles ficaram lá, esquecidos, naquele abraço, sem nenhuma palavra a dizer, mas com a certeza de que tinham encontrado aquela pessoa que por muito tempo procuravam. E ficaram assim, abraçados, entrelaçados, para sempre. Não com braços, mas com almas. Almas e corações entrelaçados. Para sempre.

5 comentários:

luizas disse...

caramba, adorei :)

little dreamer disse...

eu tbm...Lindo demais! :)

Yasmine disse...

Aki Ta maráh.. Adorei a história ! :P

• Jualves ♫ disse...

Nick, literalmente romântica

Amanda Menezes disse...

Adoooorei muito, muito mesmo *---* Desde sempre escrevendo textos perfeitos *--*
Beijoos Nicole :D

poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...