terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Bandeira branca, amor.

Tumblr_m7u1ggonvo1rvjkwyo1_500_large


Você passa parte da sua vida apaixonada por um certo alguém. O dedica versos, poesias e pores-do-sol. Sua vida gira em torno dessa paixão, desse amor, desse seja-lá-o-que-for. Você dedica horas do seu tempo pra pensar no que ele está fazendo, com quem está e se está bem. Investiga o que ele gosta, descobre seus gostos, manias e desgostos. A música dele preferida, de repente, torna-se a sua também. Aquele livro que ele leu e comentou, de repente, toma um valor especial e você se põe a ler. Na maioria das vezes, esse certo alguém não te dá a mínima. Não entende o que você quer e se entende sai de mansinho. Mas, nos casos mais raros, se você for uma pessoa de sorte, ele resolve retribuir o teu olhar e, quem sabe, o teu amor. Uma possibilidade de amor, você pensa. Finalmente, poderá encostar sua cabeça no ombro de alguém e contar sobre o seu dia. Finalmente, encontrará um abrigo. E é assim. 
Vocês estão felizes. Ninguém fala sobre isso, mas tudo bem, você até prefere assim, é melhor não dar nome às emoções. Você fica feliz quando ele aparece e ele, aparentemente, fica feliz ao falar contigo. Vocês se falam todos os dias, ele é sempre fofo, aquele tipo de cara que você apresentaria pros seus pais com a cabeça erguida. Seus dias ficam cor-de-rosa, seus textos viram textos de menininha apaixonada. Andar na rua vira uma busca interminável por um olhar que possa ser o dele. Você se veste todos os dias como se fosse encontrá-lo. Mas não se encontram. E assim passa o tempo. O seu amor cresce, cada dia mais irresponsável. Sai abrindo janelas, portas e lugares nunca imaginados. De repente, vira uma coisa louca que te consome e te vence todos os dias. O amor dele? ninguém sabe. Talvez nem ele. Mas vai dar tudo certo, você repete toda manhã. As coisas acontecem quando devem acontecer, você aprendeu assim. 
Mas e quando não acontecem nunca? E quando o seu amor continua ali, implorando retribuição? E quando as dúvidas, medos e desconfianças surgem e te fazem desistir? Aí dói. É como se a vida tivesse te avisando que o amor e, quem sabe, até a felicidade, não são pro teu bico. Aí você desiste. Junta os pedaços do coração, recolhe as palavras e vai. Dói ir. Dói olhar pra trás e ver que poderia ter dado certo. Dói olhar e ver sentimentos que nunca foram postos pra fora irem para o lixo. As pessoas tentam te consolar. Falam coisas como "vai passar", "o melhor ainda está por vir. Você não quer se recuperar. Se recusa a mostrar que está bem pra esfregar na cara. Mas isso não importa pra você. Você se recusa a deixar isso passar e o melhor. O seu amor se transforma em lágrimas. Que mancham sua maquiagem. Incham sua cara. Te desconfiguram. Mas no final, te deixam incrivelmente mais leve. Você escreve uma carta, sobre tudo o que você achava que ele sentia e a envia. Envia sem esperar resposta, mas no fundo, acreditando que ela vá chegar. Mas não chega, nem a carta, muito menos a resposta. Na verdade, você não envia. Você escreve e deixa naquele cantinho que é só teu. Aí, então, se um dia ele vier a ler e responder, vai ser porque algum dia ele parou pra pensar em ti, sentiu saudade das suas palavras e correu pra onde sabia que estaria escondido uma parte bem grande de você. Aquela parte que você sempre escondeu, porque sempre te disseram que assustaria as pessoas. Mas aí, enquanto o dia não chega, o tempo vai passando e a sua vida seguindo.
No primeiro dia você pensa o tempo todo, no segundo só antes de dormir e, de repente, quando você vai ver, pensar nele deixou de ser uma necessidade. Seu coração está leve, quase pronto pra amar de novo. Seus olhos estão limpos. Saiu a maquiagem, saiu toda lágrima, saiu tudo o que te prendia ao passado. Ano Novo, Vida Nova, você pensa. E, de repente, quando você menos espera, você olha pro lado e vê alguém que te vê há muito tempo. Ele não faz teu tipo, não tem quase nada que te atraia, mas ele te ama. E ele te observou o tempo todo. Enquanto o seu mundo estava fechado e se resumia àquele outro, o mundo desse aqui estava aberto, mas se resumia à você. Enquanto você só tinha olhos pra um, o outro esperava no canto dele, te observando e te desejando cada vez mais. O cara te valoriza, valoriza o que você diz, valoriza teu caráter e se preocupa com sua opinião. Não diz que te ama, mas prova. Mas você não quer se envolver com ninguém, é claro. Seu coração ainda dói um pouco e uma parte dele ainda insiste em querer aquele outro alguém. Você decide não se deixar levar por meia dúzia de palavras bonitinhas, daqui em diante as provas deverão vir juntas. Daqui pra frente, só cara a cara, olho no olho, branco no branco. Chega de alimentar ilusões. Chega de fantasiar a realidade. Chega do amor. Na virada do ano, nada de calcinha vermelha, nada de qualquer coisa que faça lembrar paixão. Vai ser tudo branco, você decide. Branco como a paz que você tanto quer. Branco e claro como as coisas deverão ser daqui pra frente. Mas se por acaso, assim sem querer, uma mancha vermelha em forma de flor, poesia ou abraço, surgir no teu caminho, você saberá imediatamente que chegou a sua vez. O amor pode não ser pro teu bico, mas ninguém nunca disse sobre não ser pro teu coração. Um ano novo, uma vida nova e quem sabe, um amor novo, que te tire dessa confusão. De repente, até um amor velho, mas renovado. Limpo. Sem impureza. Sem restrições. Sem nada que o impeça de ser real.
Branco. Limpo. Impecável. Como a paz.
Como a sua tentativa de paz em meio à guerra.
Bandeira branca, eu peço paz. Em forma de amor.
Bandeira branca, só quero paz pra esse pobre coração.


quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Onde terminam os arco-íris.


A gente já se perdeu um do outro tantas vezes. Eu já morri pra você. Você já morreu pra mim. Mas por algum motivo que contraria a lógica, por algum motivo que nem eu, nem você, nem ninguém consegue entender, a gente sempre se encontra em algum lugar, em algum sorriso, em alguma palavra. E assim, por algum motivo oculto, a gente começa a se lembrar. A gente lembra daqueles dias em que éramos só nós dois. Lembramos de nossas conversas sobre tudo, sobre nada. A gente lembra de como a vida era mais fácil sabendo que todos os dias, mesmo que fosse só pra se olhar, a gente se encontraria. Lembramos de tudo o que descobrimos sobre nós ao longo dos anos. E lembramos de como ninguém se compara a gente. Do quanto a gente merecia estar junto. De tudo o que a gente sonhou pra gente. De todos os abraços que não foram dados, de todos os beijos guardados, de todos segredos não revelados. A gente lembra e, de repente, não mais que de repente, vem uma saudade irracional. Uma vontade de abraçar, beijar, congelar o tempo, a imagem, só pra gente não se perder nunca mais.
Certos dias a gente anda na rua, você aí onde está, eu aqui onde estou, e, de repente, uma música, uma pessoa, um assobio faz lembrar e, assim, ao mesmo tempo, lembramos um do outro e, imediatamente, começamos a sorrir. Nesses dias a gente se relaciona sem saber. Nessas horas a gente transforma o mundo num lugar melhor sem se dar conta.
Não, nem sempre é assim. A gente sente medo de ser esquecido, abandonado no meio do caminho. A gente pensa em desistir. E, às vezes, porque o tempo é cruel mesmo, a gente esquece de lembrar que a gente existe. E, de repente, começamos a pensar, que o outro também não lembra mais. São os famosos maus-dias. Ah, nesses dias eu sinto vontade de sumir, não aparecer nunca mais, pra ver se assim você sente minha falta. Nesses dias eu viro uma megera. Odeio meu cabelo, minhas mãos, odeio tudo em mim por não ter sido capaz de te fazer ficar. Mas se não ficaram perto do outro é porque assim tinha que ser, dirão alguns. Esses são aqueles que não acreditam nessa história de amor. São pessoas que não acreditam mais em alguma coisa que vença barreiras porque possuem o coração retalhado, machucado. Eu já fui assim. Você já foi assim. Mas um dia a gente conhece alguém que nos faz (re)acreditar em tudo. No amor, na felicidade, até em príncipes encantados. Quando esse alguém surge a gente até acredita que a vida é como um arco-íris. Multicolorida. Tem dias escuros e dias claros. Dias azuis e dias cor-de-rosa. E no final, quando você vence todas as cores. No final do arco-íris, tem muito mais que um pote de ouro, tem algo mais valioso que o ouro, mais formidável que a prata, tem o amor. Aquele tipo de amor que mostram os filmes. Quando esse alguém surge, a gente acredita que o amor é a recompensa por tudo o que a gente já passou. Só que aí, a caminhada não pode parar. Você descobre que existem muitos mais arco-íris do que a gente imagina, e vencer todas as cores, sair ileso no final, é trabalho duro, mesmo com um amor, é difícil manter a postura. Vem o ciúme, a desconfiança, a dor. E se a gente não for forte o suficiente a gente não chega até o final.
E assim eu fiz. Eu não consegui vencer os dias de céu nublado. Eu parei no meio do arco-íris. Desisti. Eu só queria que você fosse forte o suficiente pra não desistir. Mesmo que me desse vontade, mesmo que os ventos fossem fortes demais, te ver correndo, te ver não desistindo faria com que eu não desistisse também. Mas eu te vi recuar. E agora estamos assim, parados no meio do arco-íris, perdidos nesse turbilhão de cores. Ninguém sabe o que fazer, ninguém sabe o que dizer.
Ontem, ganhei uma caixinha de giz-de-cera. Me disseram pra pintar o céu da cor que eu quisesse. Ando pensando em pintar de cor-de-rosa, como ele era quando você esteve aqui, talvez isso te faça não querer desistir. Se você precisar, eu tenho giz suficiente pra mim e pra você. Se você quiser eu vou aí pintar o teu céu. Tem me dado uma vontade louca de não desistir. A gente já sobreviveu a tanta coisa, a tanta gente. Por que desistir agora se a gente tem um ano inteirinho pra fazer valer a pena?
Pintei meu céu, pinto o seu se você deixar. Se você prometer correr até o fim, até onde terminam os arco-íris. Porque, eu sei, o seu arco-íris termina em mim. O meu arco-íris termina em você. Só a gente que não pode terminar nunca.
____________________________________
Bom, acho que ficarei um bom tempo sem postar alguma coisa.
As coisas estão muito confusas, eu tenho medo de escrever o que não devo.
Enfim, continuarei vindo aqui só pra visitar vocês :)
Feliz Ano Novo, como diria Caio Fernando: que seja doce.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Avesso.

Tumblr_m7u7lqgha61rxhympo1_1280_large

Ontem a sua carta chegou. Você não imagina o quanto eu fiquei feliz quando vi e o quanto eu fiquei triste ao lembrar de quando você disse que havia uma porção de cartas escritas pra mim, mas que só seriam entregues se um dia não pudéssemos mais nos ver. Mas essas cartas não chegaram, o que chegou foi quase um bilhete colocado embaixo da porta, que avisa a gente do perigo que estamos correndo. A gente está esquecendo, sabendo que está esquecendo e sabendo que está sendo esquecido. E dói.
Lembra quando você me disse que escrever uma carta é um ato de desmedida coragem, e que se um dia alguém fizesse isso por você, você seria capaz de qualquer coisa? Aqui estou. Escrevi essa carta uma porção de vezes na minha cabeça. Enquanto eu estava fora eu mastigava, absorvia e engolia as palavras só pra não esquecer tudo aquilo que eu tenho pra te falar. Desisti de tentar dormir, as palavras pesam na minha mente e não me deixam relaxar. Eu tenho tanto a te dizer. Se adiantar pedir, posso te pedir pra ficar mais um pouco? Vamos dar mais uma chance pra gente. Não vamos ser idiotas a ponto de deixar todo esse amor construído durante todo esse tempo ir pro lixo. Lembra que era pra sempre? Lembra que nós lutaríamos até o fim?
Mesmo que você tenha mesmo que ir, deixa eu te pedir pra antes me dizer onde foi que eu errei? O que eu fiz? O que eu não fiz? O que eu disse? O que eu não disse? Já até imagino, vai dizer que o problema não sou eu, é você. E se for você, o que mudou em ti? O que a fez desistir? Ou será que é um outro alguém? Quem te fez sorrir quando eu não estive aí? Quem falou quando eu me calei? Quem te protegeu quando eu fugi? Quem te abraçou quando meus braços enfraqueceram? Ele é melhor pra você? Você tem certeza? Porque se for melhor pra você, eu prometo sair do caminho. Eu só quero o seu bem, você sabe. Eu só espero que ele seja esperto o suficiente pra nunca te deixar ir embora. Que ele saiba que quando você não ri a cada minuto é porque você tem alguma coisa importante a dizer. Que ele nunca te convide pra assistir filme de terror e te convide pra ir no futebol com os amigos dele. Que ele saiba rir das suas piadas e chorar o teu choro. Que ele saiba que você tem uma fixação por mãos e que elas são seu ponto fraco. Que ele saiba que você gosta de piadas em tom de segredo e segredos em tom de piada. Que ele saiba te entender nos dias de tpm, saiba o que dizer e saiba, principalmente, não te tratar como mais uma.
Ninguém te ama como eu te amo. Eu nunca amei ninguém como eu te amo. Eu tentei te fazer entender isso. Usei minhas melhores palavras, minhas melhores piadas, meus melhores sorrisos. Você não acreditava nunca, lembra? Eu tentava falar sério e você disfarçava com uma piadinha inteligente. Era difícil saber o que existia por trás daquela menina. Tudo bem, eu entendo, você tinha medo de que eu não correspondesse, mas eu juro que eu nunca riria da sua cara por ter se declarado, e eu achava que você soubesse isso. Eu achava que você me conhecia o suficiente pra saber que sentimento pra mim é muito sério e que eu só digo o que eu digo pra você porque eu tenho certeza. Porque todo aquele tempo longe me fez ver que o amor que a gente tem vence qualquer coisa, é só a gente querer. Você desistiu. Quando um não quer, dois não brigam.
Peço licença a "seja-lá-qual-for-o-nome-dele", pra dizer eu te amo demasiadamente. Que cada palavra que eu te disse saiu junto com uma coleção de sentimentos inéditos. Eu também quis que desse certo. Eu quis mais do que tudo, ser aquele cara que chegaria onde ninguém nunca havia chegado, no seu coração. Eu acho que estava quase lá. Na verdade, eu acho que eu cheguei lá. Mas aí quem se assustou foi você, não eu. Eu saberia lidar com todo o amor que você me desse. Eu esperei todo esse tempo por ele. Quem se assustou foi você. Você não sabia, não tinha noção de que pudesse amar tanto alguém como você me amou. Você teve medo de se decepcionar e ficar sozinha com o amor na mão. Você deveria saber que eu nunca iria fazer isso. Que se um dia eu tivesse mesmo que ir embora, eu ia pegar o amor da tua mão, com todo o cuidado e o fazer entrar novamente no teu coração, aos poucos, e eu ia fazer questão de levar a maior parte da tua dor comigo, só pra não ter que te ver chorar. Você teve medo de me decepcionar. Medo de que eu descobrisse aquela porção de coisas que você sentia e que ninguém fazia ideia de que exista. Você teve medo de não ser "boa o suficiente" pra mim, o que você não sabe é que você é mais do que suficiente pra mim. Antes que você vá embora de vez eu quero que você saiba que se a gente tiver que ficar junto, a gente vai ficar agora ou quando for. Eu não vou desistir. Talvez não seja o momento. Talvez ninguém esteja pronto ainda. Talvez tudo. Talvez nada. Eu estive tão disposto a tentar. Eu sei que durante um certo tempo você achou que eu estivesse diferente, até que eu houvesse desistido de você. Mas não era isso. Eu estava analisando a situação. Eu queria ter certeza do que a gente sentia pra poder oficializar, levar a sério. Eu queria, definitivamente, que você perdesse seus medos, sua vergonha. Eu queria que você tivesse entendido que era sério, que era pra valer. Mas você preferiu fugir. Tudo bem, eu aprendi a concordar contigo, principalmente, quando se trata da sua felicidade.
Apenas amigos? Discordo de você. Não vai ser fácil pra mim. Eu sempre achei que nós tivéssemos um algo mais. Desde os tempos de escola. Até agora. Até sempre. Seja lá como for, esteja com quem eu estiver, eu sempre vou olhar pra você e vou ver a pessoa que eu mais desejei do meu lado. Nós nunca fomos apenas amigos, sempre fomos esse quase. Nossas piadas sempre tinham segundas intenções. Nossas brincadeiras sempre tinham um poço de verdade. Nossos olhares sempre tiveram cumplicidade. Nossas mãos sempre se buscaram. Nossos corações sempre se atraíram. Mas nós fingimos bem durante aquele tempo, certo? As pessoas desconfiavam, mas e daí? a gente queria mesmo que elas pensassem. Eu topo fingir de novo, se é assim que você quer, A.M.I.G.A. Por você eu tenho enfrentado monstros gigantes durante todos esses anos. Eu tenho convivido com a responsabilidade que é "ser teu príncipe". Ser teu amigo não vai ser fácil, mas por você eu consigo. Eu vou continuar sempre aqui. Pra quando quiser rir, quando precisar conversar, quando precisar bater em alguém. Meu status é sempre disponível pra você, você sabe. Sempre foi assim, sempre vai ser.
Obrigado por ter sido a minha vida. Por ter me feito acreditar em algo verdadeiro. Por ter me feito valorizar sorrisos e olhares. Por ter me ensinado o que é o amor e o que é a saudade.
Obrigado por todos aqueles dias em que eu acordei pensando em ti e fui deitar assim também. Obrigado pelas vezes em que saí na rua e te procurei em cada sorriso, em cada trejeito. Obrigado por ter feito um sorriso surgir no meu rosto com todas as suas palavras. Obrigado por ter me dedicado palavras e frases inteiras. Eu sei o que elas significam pra você. Obrigado.
Me transforma em texto, caricatura ou em estátua. Qualquer coisa que seja eterno pra você. Eu só preciso saber disso: que em algum lugar desse mundo existe alguém que não vai esquecer de mim. Eu nunca vou esquecer de você.


"Meu amor, aonde você for
Me deixe ir contigo
Porque eu te faço bem.
E se vierem os maus dias,
Eu vou buscar de volta aqueles dias
Em que eu te fiz feliz. "
(Viva-Voz @Jonathas Iohanathan)

domingo, 20 de dezembro de 2009

Eu queria te dizer que.


Eu te amo. É isso, eu queria te dizer feito um segredo bonito: amo mesmo. Amo mesmo, como nunca havia amado antes. Só tô desistindo, me despedindo desse sentimento porque, apesar de doer admitir, não acredito em nós dois.
Eu nunca gostei de despedidas, você sabe, por isso saí devagar, sem fazer alarde. Arrumei minhas coisas e saí de mansinho, fechei as portas do meu coração e me tranquei ali dentro. Desculpa se foi covardia demais, eu só quis te proteger de uma possível dor quando eu avisasse que ia embora, quem sabe assim, aos pouquinhos, você vá se acostumando com a minha falta. Hoje eu tô indo embora disso tudo, mas eu sei que, de alguma forma, eu sempre vou estar aqui, ali ou acolá pra você. Eu sempre vou desejar o melhor pra ti, seja comigo ou com seja lá quem for. Te ver feliz vai ser sempre a minha prioridade. De um jeito bom, você foi a coisa mais bonita que me aconteceu. O meu melhor sorriso foi quando eu estive contigo. O meu melhor abraço foi o seu. O meu melhor (e maior) amor foi por você. E a minha melhor dor é ter que ir embora. Eu digo melhor porque é como se eu merecesse sofrer mesmo por não ter me agarrado àquelas oportunidades que eu tive pra te mostrar o quanto a gente merecia estar junto. Essa dor é meu prêmio por não ter aproveitado o dia em que você disse que preferia a mim a qualquer outra amiga minha pra dizer que eu preferia você a qualquer outro cara no mundo. Mas eu não disse. Na verdade, eu nunca disse nada, eu sempre tive medo. Eu sempre preferi ficar calada a dizer tudo o que eu sentia e acabar com esse elo misterioso que sempre nos uniu. Você não queria defeitos? então. Estão todos pulando na sua frente: covarde, medrosa, insegura, romântica insuportável. Não se parece em nada com aquela garota super segura que você conheceu um dia, certo? Desculpa se eu te decepcionei, mas é que você chegou a lugares fundos e a consequência é essa: conhecer os mistérios que as pessoas escondem naqueles lugares onde pouca gente consegue chegar.
Eu só queria que você não tivesse se assustado. Não tivesse tido medo de virar só mais um texto meu, de não ser nada além de mais uma fonte de inspiração. Você não sabe, mas eu só transformo em texto aquelas coisas que por algum motivo precisam ser eternas. Você não soube porque estava ocupado demais se assustando com o tamanho do meu coração. Desculpa se eu exagerei no sentimento.  
Sabe, com você eu quis tanto que desse certo. Eu quis, com todas as minhas forças, que você fosse o cara que o coração daria um pulo ao me ver e que se espremesse quando eu fosse embora. Eu quis tanto que você fosse tudo o que eu sonhava pra você. Eu quis tanto ser aquela pra quem você corre em qualquer situação. Eu quis, de uma maneira absurda, que eu fosse aquela que você apresenta pros seus amigos e diz: "É ela" e eles imediatamente entendem que você quis dizer: "É ela. A garota que eu escolhi no meio de toda essa gente. É ela que eu quero ter do meu lado". Eu quis tanto ser escolhida por você. Mas eu acho que me perdi nas tentativas.
Então eu vou embora pra deixar o teu caminho livre. Dói em lugares que eu nem sabia que eu tinha. Exige de mim uma força que eu jamais pensei que coubesse em mim. É mais que difícil saber que se eu me arrepender, como eu já fiz várias vezes, pode ser que você não esteja mais de braços estendidos pra mim. É insuportável pensar numa vida sem você. Mas eu cansei de não arriscar, eu prefiro correr riscos e falar de uma vez o que eu sinto. E eu sinto uma dor avassaladora por ter que deixar a melhor coisa do mundo. Então, é isso.
Tô indo embora dessa bagunça que era sentir essa mistura de sentimentos. Tô indo embora de uma vida que girava em torno de você. Tô me despedindo de um sentimento que me dominava todos os dias. Só não pense que eu tô me despedindo de você. Não. Não, ouviu? Eu quero permanecer pra sempre nas tuas memórias, no teu coração e na tua vida. Você ainda me aceita como amiga, certo? Eu sei, essa história de "ainda podemos ser amigos" é tão clichê e é tão não cumprida. Mas no meu caso é verdade, juro. Eu vou fazer acontecer. Eu vou estar sempre aqui. Não mais como alguém que espera o teu amor por inteiro, mas estarei aqui como mais uma de suas amigas, mais uma daquelas que disputam sua atenção, dão risada das suas piadas e se contentam com migalhas de você. Só porque depois de fazerem tudo isso, a vida delas continua. Só porque você não é a pessoa que elas mais amam no mundo. E, principalmente, porque elas sabem separar as coisas. Meu sonho sempre foi ser uma dessas garotas grandes, fortes o suficiente pra não se deixarem levar pelo coração. Agora parece que eu vou conseguir, graças a você. 
Enfim, eu te amo. Mais do que antes. Mais do que nunca. Não esquece de mim, enquanto eu não esqueço de você. Pode me tratar como mais uma, eu mereço. Mas me trata como aquela uma que conseguiu, ao menos uma vez, fazer com que você sentisse algo perto da felicidade e muito, muito perto do amor de verdade.
Tchau, maior amor do mundo.
Olá, querido mais um ser humano do planeta.

"A minha vida continua,
Mas é certo que eu seria sempre sua.
Quem pode entender?
Depois de você,
Os outros são os outros.
E só."

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

A velha novidade.

Mais um ano ameaça acabar e eu continuo aqui, correndo pra você que parece não chegar nunca. Eu corro contra o tempo, venço barreiras, ultrapasso distâncias pra tentar chegar em você. Não levo nada nas mãos, mas trago um coração transbordante. Tem uma coisa aqui dentro que pulsa, grita e incomoda. Um tipo de saudade sufocante que misturada com o amor que eu sinto, me vence e me domina a cada dia que passa. Essa saudade, esse sentimento que me vence dia após dia, fez com que esse ano fosse seu. Eu vivi esse ano em função disso tudo o que eu sentia. Eu te escrevi, te desenhei, te vivi, como se você estivesse ao meu lado. Eu suguei cada pedaço que eu tive de você. Eu absorvi suas palavras, guardei o teu abraço e vivi a tua espera. Eu te procurei em cada esquina e em cada um que se aproximava. E eu me decepcionei todas as vezes que vi que o sorriso não era o seu, o abraço não era tão forte como seu, e a capacidade de me fazer feliz nunca esteve nem perto de ser a sua. Mais um ano se passou e toda aquela história de ser uma pessoa forte e não se deixar abalar por você foi por água abaixo, literalmente. Todas as lágrimas derramadas foram como uma espécie de chuva que lavou toda a dúvida, todo o medo e toda a expectativa. Eu vou terminar esse ano sem esperar nada de mais, nem de você nem de ninguém. Só assim eu não me decepciono, só assim o que vier será sempre lucro. Qualquer palavra sua vai ser como um texto pra mim. Qualquer demonstração de afeto de sua parte, será como um amor sem fim pra mim. E se não tiver nada disso, tudo bem, ano novo sempre traz essa vontade de ser forte, de mostrar que eu consigo começar o ano fora disso tudo. O meu coração ainda é seu, só seu, mas esse ano eu já decidi: ele não vai ser seu. Vai ser meu. Não vou me permitir chorar, mostrar fraqueza ou qualquer outro tipo de absurdo. Escrever vai ser o meu máximo. Porque apesar de tudo, apesar de quase desacreditar em você, algo grita na minha cabeça pra que eu continue acreditando nas palavras. Essas palavras que me fazem companhia quando você não tá por aqui. Palavras que são o mais próximo que eu posso chegar de você. Palavras que dizem todas aquelas coisas que eu sempre sonhei em te dizer. Palavras que levam junto a esperança de que um dia você as leia e descubra e não se assuste com o tamanho do amor que eu tenho dentro de mim. Esse ano vai ser diferente, eu já disse pra mim mesma. Vou aproveitar esses quinze dias de ano velho e vou fazer uma limpeza. Vou tirar tudo o que me fez mal, tudo o que me prende ao passado. Vou limpar meu coração, torcer, espremer, até que só sobre o que for verdadeiro. Se você tiver que ir, vai doer de uma forma avassaladora, mas dizem por aí que o melhor sempre está por vir. O meu maior problema é achar que você é o melhor dos melhores. Apesar de te odiar às vezes, de achar que eu mereço alguém melhor, eu insisto em achar que o melhor já veio, e é você. Seja como for, vou fingir acreditar que o melhor está por vir, sendo assim, que venha o ano novo com suas devidas novidades. Pode ser que uma delas seja você, a esperança insiste em não ir embora. Pode ser que você resolva se tornar realidade. E aí então, o ano novo terá me trazido você em forma de velha novidade.

_____________________________________
Eu acho que ficou mega confuso, mas por algum motivo eu gostei e eu estava com saudade de postar, então vai esse mesmo :)
Gente, fiquei tão feliz com os comentários no último texto rs *-*
Obrigada gente, são vocês que me fazem insistir em escrever.

Ao bom velhinho.

Querido papai noel, eu sei que já faz tempo que eu não te escrevo, mas esse ano eu resolvi fazer diferente, porque eu preciso quero que as coisas sejam diferentes daqui pra frente, então resolvi pedir uma ajudinha. Eu sei que eu já passei da idade, mas existe uma criança imortal aqui dentro, papai noel. E essa criança insiste em acreditar que o senhor existe. Ela sonha com um mundo cor-de-rosa, príncipes encantados e felicidade pra todo mundo.
Eu poderia te pedir, papai noel, que o senhor tornasse o mundo um lugar melhor, que as dificuldades fossem superadas, as crianças ficassem na escola, os errados na prisão e os sonhos no coração, mas essas coisas quem tem que consertar somos nós que estamos aqui todos os dias do ano. O senhor é um homem muito ocupado e só aparece aqui no natal, justamente quando as pessoas jogam o lixo embaixo do tapete, graças ao tal espírito natalino. Então, papai noel, eu te peço que, por favor, o senhor coloque pilhas extras em todos os sapatinhos que encontrar nas janelas. Quem sabe, com essas pilhas mágicas, a vontade de mudar o mundo permaneça durante o ano todo, não apenas no natal.
Eu nem sei se eu mereço sua atenção, papai noel, deve haver uma porção de crianças fofinhas, bonitinhas e bem educadas pedindo a sua ajuda, eu sou apenas uma criança grande, feia, que não sabe se comportar. Eu tentei fazer tudo certo, papai noel, dei lugar pra velhinhos no ônibus, esvaziei meu guarda-roupa e dei pra quem precisava, mas mesmo assim, eu fiz pouco. Sem contar que eu sou teimosa, estresso as pessoas e o pior, destruo corações. É, papai noel, as pessoas se aproximam de mim com as melhores intenções do mundo, mas eu vou lá e destruo seus corações. Eu queria pedir que o senhor colasse de uma forma bem firme esses corações que eu despedacei, mas eu sinto que já que fiz a besteira, é minha obrigação juntar esses cacos. Então, papai noel, na meia pendurada na minha lareira, coloque uma capacidade de aquecer maior do que a normal, pra que as pessoas possam se sentir aquecidas e protegidas do frio quando eu me aproximar e assim terem seus corações curados.
Sabe, papai noel, dessa vez, eu até montei uma árvore de natal. E pendurei nela tudo o que tem direito. Uma estrela no topo, sinos, anjos, coisinhas coloridas e tem até você, papai noel, brincando no seu balanço que eu sempre imaginei que ficasse no seu quintal. Passei a adorar essas coisas de natal, papai noel, tudo tão colorido, brilhante, nessa época eu realmente chego a acreditar que o mundo todo pode ser feliz.
Ah, papai noel, faz tanto tempo que eu não te escrevo que eu não consigo nem lembrar quantos pedidos a gente pode fazer. Seja lá como for, eu acho mesmo que todos os meus pedidos se resumem num só: Eu desejo que o espírito natalino seja mais que natalino, que seja carnavalesco, pascoal, que seja diário. Na feira, no shopping, na rua, que as pessoas ajam como agiriam no natal, como se fosse obrigação delas presentear os outros, com bonecas, roupas ou só com o amor mesmo, daquele jeito que só o natal consegue fazer.
É isso, papai noel, se sobrar um espacinho na sua agenda, põe a minha casa no seu roteiro.
E... papai noel, agora eu já sou uma "menina grande", eu acho que já posso entender o que eu sempre quis saber: "Como é que o senhor consegue entrar na minha casa, se eu não tenho chaminé?"

Beijos, Papai Noel, Feliz Natal.

______________________________

eu sempre quis fazer uma carta pro noel, o PostIt! foi só uma desculpa rs :)

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

O amor no armário.

65cc29369fc811e19e4a12313813ffc0_7_large

Já vai fazer um tempo que eu saio de casa sabendo que estou esquecendo alguma coisa. No primeiro dia, eu tentei viver como se não estivesse faltando nada, me diverti com as pessoas certas, fiz todas aquelas coisas de sempre, mas minha mente estava sempre em casa, pensando no que eu havia esquecido. Olhei minha bolsa, meus bolsos, meus papéis. Tudo ali. Só quando cheguei em casa e olhei pra sua foto, aquela em que você sorri e que eu sempre achei que aquele sorriso fosse meu. Aquela que eu olho todo dia e sempre sinto como se me pertencesse e tudo fosse uma questão de tempo pra transformá-la em algo real. Naquele dia, ao olhar pra foto, o seu sorriso me pareceu o sorriso de alguém que sorri amarelo, sem forças, como alguém que pede desculpas por ter mudado tanto. Você me pareceu alguém que olha pra trás e vê que está deixando alguma coisa no meio do caminho e sorri, tentando consertar a situação. Foi justamente assim que eu me senti ao olhar pra você. Uma coisa que não importa mais, um brinquedinho que saiu de moda. Um filme de mistério que de tanto ser assistido perdeu o tal do mistério. A minha maior surpresa foi me pegar pensando todas essas coisas, coisas que se fossem pensadas há um tempo atrás, me trariam grande dor, mas que hoje não fizeram nem sequer um cocéguinha no meu coração. Eu me peguei pensando nisso tudo e aceitando. Como se fosse fácil aceitar que a pessoa que você mais amou na vida está indo embora, aos poucos, pra que a dor quase não seja sentida. Eu comecei a lembrar de todas as suas palavras e elas não me pareceram mais tão sinceras assim, o seu medo não parecia ser me perder e a minha vida não parecia ser parte da sua. Eu me peguei olhando pra tua foto e me perguntando quem era aquela pessoa que eu sempre achei que conhecia melhor do que a mim mesma. Eu olhei pra você, olhei pro tempo que passou e pra distância que nos separa e gritei: parabéns, vocês venceram! Joguei seu porta-retrato no chão, rasguei sua foto, e quando eu abri meu armário pra pegar a caixinha em que eu guardava um pedaço de você, eu percebi o que eu estava esquecendo quando saí de casa naquele mesmo dia. O meu amor por você. Era culpa da falta dele o vazio que eu senti durante o dia todo e toda a frustração que eu senti ao olhar pra aquela foto.

O meu amor estava lá, se aquecendo entre os meus casacos, agarrado às coisas que estavam naquela caixa, como alguém que está sendo levado pela correnteza se agarra à primeira coisa concreta que vê pela frente. O meu amor temia morrer. O meu amor temia sair dali de dentro e morrer com a visão, dura e fria, da realidade. O meu amor, teimoso que só, se recusava a morrer assim. Com palavras não ditas, com dúvidas não esclarecidas e com amor não declarado. O meu amor, mesmo surrado, com as pernas fracas e com coração remendado, insiste em querer se agarrar a você. Ele quer você. Eu quero você. Mas e você? Você quer a gente?
É esse o grande xis da questão: entender o que se passa dentro da sua cabeça. Entender o que existe por trás de todas aquelas suas palavras super bem escolhidas. O meu amor tá aqui feito louco, gritando no meu ouvido que ele não quer ser o seu brinquedinho pras horas de carência. Ele quer mais. Eu quero tudo. Ele quer ser sua alegria num dia triste, sua festa num dia feliz e seu abrigo num dia chuvoso. O meu amor que conhecer todos os teus mistérios e mesmo assim nunca compreendê-los, só pro filme não perder a graça nunca. O meu amor que sentir o gosto do teu amor, do amor que ele jura de pés juntos que existe em você.
Desde aquele dia, o meu amor tem passado horas e horas dentro daquele armário. Vez ou outra, ele vem aqui fora tomar um ar, mas aí os ventos sopram forte demais, então ele volta pra onde seja seguro. Pra onde a única realidade seja aquela que ele sonhou pra gente. Desde então, tenho tido um amor contido, retraído. Um amor que, ao invés de enfrentar a realidade e mostrar que é forte o suficiente, a teme com todas as forças. O meu peito não é o mesmo sem a droga desse amor. A vida lá fora, o resto do mundo, perde a graça quando o amor não está aqui.
Sinceramente, eu não sei quanto tempo nós (meu amor e eu) aguentamos. Então, vem antes que seja tarde. Antes que o meu amor morra sufocado. Antes que eu resolva de uma vez por todas, ficar no meio do caminho. Vem e traz contigo o teu amor, pra ele servir de agasalho pro meu amor medroso. Vem, you're gonna be the one that saves me.

"E se um dia eu pedi demais.
Foi o teu abraço que eu pedi demais,
aquele sorriso que me trazia paz.
Mais daquelas coisas que eu sempre amei,
a velha pessoa por quem eu me apaixonei"
(Ausência - Jonathas Iohanathan)

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Amor quando chove.

Chove lá fora e chove aqui dentro. E essa chuva me faz lembrar que eu não te tenho aqui debaixo do meu guarda-chuva. E em nenhum outro lugar. Essa coisa que é a chuva só serve pra aumentar a saudade que sempre existiu, mas que vem crescendo loucamente nos últimos dias. Uma saudade idiota e indomável. Saudade de te ver sorrindo, de tentar descobrir o que existia por trás daquele garoto idiota que você fingia ser. Saudade de olhar pra você e disfarçar no momento seguinte, quando seus olhos encontravam os meus. Saudade de ter do meu lado e poder, ao menos, te oferecer um lugar embaixo do meu guarda-chuva. Saudade de te oferecer o som da minha risada pra te fazer esquecer os sons que te perturbavam. Saudade de te oferecer a minha companhia, o meu silêncio, a minha paciência. Saudade de ver você do outro lado da rua, fazendo cara de estressado, só porque eu tinha medo de atravessar e esperava o sinal fechar. Saudade de quando eu tinha você toda manhã e, às vezes, em incríveis horas extras, quando o garoto que você sempre escondeu, mas que eu sempre soube que existia, começava a se mostrar.
A chuva me lembra que assim como ela arrasta folhas, papéis e tudo o que estiver na sua frente, o tempo também o faz e tenta fazer com você a cada dia. Mas eu me recuso. Me recuso a te deixar ir, me recuso a olhar pra trás e lembrar de você como mais uma formiguinha no mar de gente que já passou por mim. Me recuso a lembrar de você eventualmente quando por coincidência aparecer alguém com um jeito de andar igual ao seu. Eu não quero isso. Eu quero ter você inteiro, nem que seja em lembranças, desde que seja inteiro. Ainda que eu te odeie às vezes, ainda que o tempo tente te levar embora, ainda que tudo comprove que é burrice continuar insistindo, eu quero te ter inteiro. E eu me recuso a ter uma lembrança ruim de você. Quando os dias maus chegarem tentando me fazer desistir de você, quando a dúvida, a insegurança e o medo tentarem te tirar de mim, eu vou lutar com todas as minhas forças pra te manter intacto na minha mente e no meu coração. Quando eu estiver prestes a duvidar das suas palavras, eu vou lembrar daquele dia em que você olhou nos meus olhos e me fez sentir todas as emoções misturadas. Quando a distância me desanimar, eu vou lembrar que você disse que lutaria por mim. Quando eu estiver certa de que você diz tudo isso pra todas as outras garotas, eu vou fingir que não me importo, vou fingir que não tenho ciúmes, que não me importo em dividir você. Enquanto fingir for a solução pra conservar você, eu finjo. Porque por você vale a pena, ainda que doa um, dois ou três dias, depois passa. Depois eu esqueço e só lembro que você foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida.
Tenta entender essa saudade, essa vontade de te oferecer o que há de bom em mim. Tenta entender essa loucura que é te amar tanto assim. Tenta entender essas palavras, que saem mais que do meu coração, saem da minha alma ou de uma coisa mais lá dentro, se é que existe. Tenta entender essas palavras e as grava em você porque, por enquanto, elas são tudo o que eu posso te oferecer. Não tenho guarda-chuva, mas tenho essas palavras.
E tenho eu. Eu tô aqui ainda. Eu sou pequena e frágil, mas tenho um coração do tamanho do mundo e ele é todo seu, e sim, claro que sim, ele aceita ser seu abrigo quando a chuva começar.



"Mesmo não estando em perigo,
quero que você proteja meus olhos cansados de te esperar.
Mesmo em um abrigo,
quero estar contigo quando a chuva chegar."
(Caio Fernando)

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

O dia em que eu limpei o óculos.

Hoje foi o primeiro dia, depois de muito tempo, que você não foi o meu primeiro pensamento pela manhã. Hoje, foi a primeira vez, depois de muitas, que eu entrei na internet e não desejei com toda a força que existe em mim pra que você estivesse pelo menos no meu msn. Hoje eu experimentei uma vida sem você e eu vi que, se não fosse essa coisa que me consome chamada amor, eu poderia me acostumar com a ideia de viver de sem você. Hoje eu descobri que sem você as coisas vão ser tristes, vai doer de uma forma arrasadora, mas eu posso sobreviver.
Veja bem, não é que eu queira te esquecer, não é que você não me faça feliz e, jamais pense que é porque eu não te amo mais. É só que hoje eu acordei realista, sangue frio, mesmo. Hoje eu vi que viver em função de alguém quase virtual, é burrice. Eu vi que acreditar em alguém que não olha nos olhos quando diz é pura estupidez. Hoje eu segui o exemplo da Tati e, finalmente, limpei o óculos. Com minhas lentes limpas, eu vi a realidade que existe por trás do conto de fada. Eu vi que a altura da torre que separa a rapunzel do príncipe é muito maior do que eu pensei que fosse, imagina como deve ser pra mim que nem sequer tenho uma trança pra jogar. Eu vi que a fada madrinha não foi capaz de ajudar o príncipe a encontrar a dona do sapatinho de cristal, o príncipe que, por iniciativa própria, correu cidades, enfrentou barreiras, só pra encontrar a dona daquele sapato e, coincidentemente, a dona do seu coração, aí eu vi que eu tenho um príncipe mas não sei se o príncipe tem motivação e força suficiente pra correr cidades, enfrentar barreiras, pra me encontrar, eu que nem tenho um sapatinho de cristal.
Hoje pra mim, foi como a meia noite pra cinderela: o encanto acabou. Hoje eu, que sempre penso com o coração, deixei a razão falar mais alto. E a coisa mais triste que eu tenho a dizer: Hoje eu quase desisti de você. Eu quase me rendi aos meus medos, à todas as barreiras que existem entre a gente e que me impedem de te chamar de amor. Hoje eu quase te odiei. Por me deixar aqui sozinha, por não subir em torres, por não atravessar cidades, só pra me encontrar. Hoje eu quase odiei sua mania de me fazer rir de tudo e não me deixar sentir raiva de você. Hoje eu quase odiei o seu jeito de andar engraçado, sua voz viciante e seu sorriso fofo. Hoje eu quase odiei o tempo em que eu te tive ao meu lado. Mas aí, quando eu estava prestes a gritar pro mundo que, finalmente, havia conseguido te tirar de dentro de mim, passou um filme na minha mente. Eu lembrei que é justamente na sua mania de me fazer rir que eu encontro conforto. Eu lembrei que é no seu jeito de andar engraçado, na sua voz viciante e no seu sorriso fofo, que eu encontro a felicidade. Eu percebi que me privar de coisas assim, coisas tão simples pra muita gente, mas que significam tudo pra mim, que, enfim, me privar de você seria me privar de uma parte gigante da minha felicidade. O meu óculos, que, por incrível que pareça, permanece mais limpo do que nunca, me fez ver que você é peça fundamental na minha vida. Depois de tudo isso, eu finalmente entendi que por mais difícil que fosse, o príncipe conseguiu subir na torre, a cinderela foi encontrada. Não, eu não tenho trança pra jogar, mas eu pulo se souber que você não vai me deixar cair ou, se você estiver disposto, pode construir uma escada pra chegar até a mim. Eu também não tenho uma fada madrinha nem um sapatinho de cristal perdido por aí, mas eu tenho um coração e, adivinha só, ele tá com você e você ainda pode vir correndo até mim ou se preferir, eu saio correndo até você se tiver certeza de que você estará me esperando de braços abertos.
Meu óculos limpo me fez ver que, além das barreiras, além até da própria realidade, há sempre um final feliz. Basta só você a gente querer.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Almost Lovers.

Quase. É tudo o que nós somos. Quase amigos, quase amantes. Quase.
Só que, olha a loucura, poderia ser diferente. Você, eu, nós poderíamos tentar. Nós poderíamos ser mais diretos e objetivos pra, quem sabe um dia, nos tornarmos alguma coisa inteira. Eu + você = tudo, não seria bom? Eu sou aquela que fica esperando todo o dia só para, pelo menos, ver seu rosto. Aquela que, quando você se aproxima, começa uma festa com direito a borboletas no esômago. Aquela que suga cada momento contigo pra ter com o que se nutrir durante seus períodos longe. Sou ainda aquela que vive se perguntando onde e com quem você está, com medo de que você esteja com alguém sem medo de ser inteira pra você. Você que é a minha alegria, a minha possibilidade de amor. Você que faz o mundo virar um lugar melhor pra se viver. Você que me faz ter pena dos outros caras por não terem a sorte de ser como você. Você que tem tudo pra ser meu tudo, mas é só o meu quase.
Naquele dia que estávamos juntos e sua amiga perguntou o que nós éramos e você, com seu sorrisinho sem graça, disse que não éramos nada, eu tive vontade de gritar: "Hey, menina, nós somos mais que nada mas não somos tudo. Nós somos quase". Naquele outro dia, quando nós fomos naquela festa cheia de pessoas que te conheciam e todos ficaram nos olhando de forma desconfiada, com interrogações escritas na testa, eu tive vontade de pedir, quase implorar, pra que eles começassem a pensar um monte de coisa. Pensem que nós somos namorados. Pensem que nos encontramos todos os dias. Pensem que não conseguimos mais viver longe um do outro. Pensem que planejamos ter dez filhos, morar numa mansão e passar férias na Disney. Eu quase implorei pra que eles pensassem que nós fôssemos tudo aquilo que eu sempre sonhei pra gente. Mas não somos. Nós não somos quase nada.
Eu fico aqui, você fica aí. Estamos bem assim, é claro. Você me liga quando precisa desabafar ou quando sente vontade da minha risada que te desarma. Eu fico aqui, te odiando por me usar assim, mas amando demais cada vez que você estende seus braços e sai correndo na minha direção. Mas, claro, não somos nada. Ontem eu vi um casal andando na rua, tão lindos, tão juntos, tão tudo um pro outro. Naquela hora eu te odiei. Por brincar comigo assim. Por não me convidar pra sair. Por deixar esse quase nada que a gente é escondido. Mas aí no instante seguinte você me deixou uma mensagem daquele jeito que só você sabe fazer, com suas palavras super bem escolhidas, querendo falar difícil. Então eu esqueci aquilo tudo. Nós não somos nada. Não saímos por aí de mãos dadas. Você não diz coisas bonitas olhando nos meus olhos. Mas e daí? você me faz feliz e enquanto isso acontecer eu continuo disposta a ser sua quase. Prefiro ver assim: nós somos um copo meio cheio. Eu vejo assim, as pessoas também, e você? o que nós somos pra você? não demora muito a decidir, por favor. As pessoas podem deixar de pensar e começar a falar, e você sabe o poder que as palavras tem sobre mim. Por favor, não deixa elas, nem sequer pensarem, que somos um copo meio vazio. Me dá da sua água pra encher nosso copo. É fácil, é só você querer. Eu? eu quero tanto.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

aqui onde o tempo não passa.

Se tem uma coisa que eu aprendi ao longo dos anos, foi essa: o tempo não para. O tempo não espera as coisas melhorarem, a única coisa que ele faz é passar. Passa e, na maioria das vezes, leva sonhos, vidas e pessoas que tinham tudo pra dar certo. Comigo não foi diferente. Eu vi o tempo passar, cruel, impiedoso e devastador, inúmeras vezes. Foi assim durante a minha vida toda. Mas enquanto eu ficava aqui odiando o tempo o tempo todo, eu ouvia muita gente dizer que haviam conseguido encontrar alguém que tinha feito o tempo parar. Sabe, eu não acreditava muito nessa história, mas mesmo assim resolvi sair por aí e procurar alguém que tivesse esse dom. E encontrei. Encontrei pessoas que, aparentemente, conseguiam mesmo fazer o tempo parar, mas isso nunca durava tempo o suficiente, era sempre rápido demais, e quando o tempo voltava a se mexer, a bagunça que ele fazia em mim era milhares de vezes maior. Um dia eu cansei de procurar, desacreditei nessa história e me conformei com tudo de ruim que o tempo representava na minha vida. Até que, quando eu menos esperei, ele apareceu. Ele apareceu e, na mesma hora, tudo parou. O tempo, a minha vida. Tudo parou. No começo eu desconfiei, afinal, toda essa freada brusca poderia causar danos muito maiores no futuro. Resolvi não apressar nada, fiquei mesmo com um pé atrás, resolvi esperar pra ver. Então, eu vi. Vi um sentimento lindo, como nunca havia visto tão de perto. Vi um amor digno de um livro, um filme, de muito mais que isso. Vi alguém que realmente me amava e estava disposto a esperar o meu tempo e desvendar todos os meus mistérios. E vi, com tamanha felicidade, que já se passava um mês e nada havia mudado. Na verdade, toda essa história de tempo parado me fez perder as contas, deve ter passado muito, muito mais, talvez anos e anos, o que importa mesmo, é que, dessa vez o tempo não conseguiu levar embora nenhuma migalha do amor que a gente sentia. Finalmente, eu havia encontrado alguém capaz de fazer o tempo parar. E, hoje, o meu coração, o lugar onde o tempo não passa, é o lugar onde não existe vida sem o único que tem esse poder.

Pauta pro OUAT.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

pra você.

Até ontem, depois que você foi embora, eu não sabia o que eu via em você. Um bobo alegre, um idiota, um chato. Eu não entendia por que raios eu decidi que era com você, e só, que eu queria ficar. Afinal, por que querer alguém tão longe, tendo opções tão perto? Eu também não conseguia entender o que você via em mim. Podendo querer tantas outras meninas mais bonitas, bem melhores do que eu. Por que escolher alguém tão pequena, tão insegura, tão boba quanto eu? Eu não entendia e, pra ser sincera, até hoje eu não entendo. Mas ontem, quando você foi embora e, pela primeira vez, eu tive certeza de que você iria voltar, eu descobri que eu não preciso entender e ponto. A vida é assim mesmo, eu não entendo, você não entende, ninguém entende nada. A única coisa que a gente faz é se colocar a disposição pra aquilo que a vida trouxer.
E, depois de tantos sapos, ela me trouxe você. Muito mais que um príncipe, um herói. É, você salvou minha vida. Depois de tanto tempo procurando alguém, eu olhei pro lado e vi você. E você me viu também. Eu não sei o que a gente faz agora, não sei se vou saber lidar com essa responsabilidade gigante que é fazer alguém feliz. Tudo o que eu sei é que, mesmo longe, a gente se vê tanto, tanto, que prefere fingir que não vê nada. Mas eu sei e você sabe que além de qualquer coisa, de se ver ou não, o nosso amor está lá, esperando a hora de poder se revelar. Eu fico aqui pensando: se hoje quando a gente não é nada, você já é tudo, imagine então quando a gente for tudo. Você é cada risada que eu dou; e dou querendo que ela ultrapasse barreiras e vá te encontrar onde você estiver. Você é todas as piadas sem graça que eu conto pras minhas amigas, só porque eu aprendi com você. Você é cada palavra que eu escrevo. Você é cada lugar que eu vou, te desejando do meu lado. Você é cada foto que eu tiro, só pra me enganar e te mostrar que eu sou feliz sem você. Eu posso ser feliz sem você, eu sei. Mas com você a felicidade é bem mais que uma palavrinha de 10 letras. A felicidade é real. E você agora é real. Você é minha felicidade, consegue entender? Eu tenho medo de perder essa felicidade. Eu tenho tanto medo de te perder que eu sugo cada pedaço de você pra um dia, caso você se perca de mim, eu tenha com o que ser feliz enquanto procuro te reencontrar. Eu tenho tanto medo de perder essa nossa ligação que acabo não falando todas essas coisas com medo de te assustar. Até eu me assusto. Como eu posso querer tanto assim alguém? Como cada parte de mim suplica por ter você ao meu lado? isso nunca aconteceu. Às vezes eu temo, outras vezes adoro. Adoro tanto que tenho pena de que como o mundo era menos feliz, antes da gente se encontrar. Por favor, não faça isso acabar, fique até o fim. Deixa eu te mostrar a mulher sensível que existe atrás da menina com um milhão de ironias pra você não achar que a pode ganhar. Deixa eu te mostrar o quanto a gente pode ser feliz. Deixa eu te mostrar o bem que você me faz. Deixa eu dizer, antes que o texto acabe, que você é melhor do que todo o resto do mundo junto, seu sorriso é o melhor prêmio que a vida pode me dar e que eu te amo mais do que eu pensei um dia poder amar alguém. Você é a minha maior saudade, meu maior desejo e o meu maior presente. Por favor, não se perca de mim. Mesmo depois de descobrir meus segredos e defeitos, fica mais um pouco. Vamos descobrir juntos o que a gente faz com esse amor maior que o mundo.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Corre, menina.


Oi, menina. Dessa vez quem te escreve sou eu.

Ontem, naquela briga que vocês tiveram, você reclamou que fazia tempo que ele não te dava atenção, mas você já parou pra pensar que você também não dá atenção pra ele? você e sua mania de esperar que venham até você. Você tem medo, menina, e, assim como você, pode ser que ele também tenha. Medo de não te agradar, de te incomodar, de ficar grudento demais. Afinal, ele nem sabe o que você sente. Ele é quem deveria reclamar, não você. Ele se declara, diz todas aquelas coisas que você tanto quer ouvir, e você?! o que você faz, menina? você, só diz meias palavras, sempre com medo de se mostrar demais. Te escrevo hoje pra te aconselhar, menina. Para de ser tão egoísta. Tenta olhar o outro lado da moeda. Para de querer que ele te faça feliz enquanto você fica aí feito uma estátua esperando iniciativas alheias. Surpreenda, menina. Ligue, mande scrap, mensagem, sinal de fumaça, não importa. Qualquer coisa que o faça ver que ele também é importante pra você. Mostra que você tem medo de perdê-lo. Vocês sabem que se amam e que o amor de vocês não tem explicação. O único problema de vocês é esse medo. Parece até medo de ser feliz. Soltem as mãos, deem o salto. Se ele não tiver coragem pra começar, comece você, menina. Faça diferente. Deve haver um milhão de coisas incríveis esperando por vocês. Vai, menina. Eu sei que você ainda acredita e, principalmente, que você ainda ama. Deixa pra lá essa mania de ficar sempre com um pé atrás, desconfiando de tudo. Deixa de lado essa insegurança. Vai, se declara logo. Diz que ama e ama de verdade. Diz que sem ele as coisas são tristes, sem graça. Mostra pra ele o seu amor. Sem medo. Sem restrições. Vai, menina, ele te ama, você sabe. Só que ele também precisa de provas.
Corre, menina, você sabe que ele é tudo o que você sonhou.
Corre, ainda dá tempo.
Não desperdice a chance de ter encontrado o amor da sua vida.
Vai, menina, eu acredito em vocês.
E vocês também acreditam, eu sei.
Vai, menina, não deixa ele se perder. De novo.
Vai. Corre. Grita. Faz o que for preciso, só não deixa esse amor morrer.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

por que eu?

Então vai. Vai porque, enquanto assisto você ir, eu fico aqui mergulhada no meu pessimismo e na minha insegurança. Afinal, eu já sabia que não ia dar certo. Era bom demais, rápido demais, do jeito que eu sonhei demais. Eu não merecia tudo isso, todo esse amor. Por que alguém seria apaixonado por mim podendo querer tantas outras mais bonitas, mais inteligentes, mais simpáticas?! Eu já sabia. A minha cartilha de menina durona já havia me dito: felicidade demais dura pouco. Eu sempre segui todas aquelas regras. Faça isso, faça aquilo. Não demonstre sentir, haja indiferente e não diga nada. Sempre segui à risca. Mas aí eu vi você. Tão lindo, tão divertido, tão aparentemente afim de mim e fiquei com vontade, como eu nunca havia ficado, de mandar pro quinto dos infernos todas aquelas regras e tentar, só dessa vez, ser feliz. E eu tentei, com todas as minhas forças. Deixei você se aproximar, acreditei nas suas palavras e te amei, de verdade. Deixei você chegar onde ninguém havia conseguido chegar antes. Depois de muito tempo, eu finalmente acreditei que alguém pudesse me amar. Um dia eu cheguei até a pensar que você tivesse medo de me perder. Sabe o que isso significa?! Ninguém nunca antes havia mostrado isso. Você salvou minha vida por uns dias. Deixou tudo mais simples, mais fácil, mais colorido. E agora? joguei todas as minhas esperanças na gente no lixo, pela milésima vez. Eu sei, amanhã isso vai passar, eu vou acordar mais apaixonada do que nunca. isso deve ser mais uma bobeira de menina apaixonada que não conseguiu sua atenção quando mais precisou. Mas hoje, essas palavras, esses medos, eles realmente estão conseguindo me convencer de que eu não mereço. É demais, entende?! não dá pra entender por que alguém resolveria me escolher, por que alguém resolveria sentir minha falta e me desejar por perto todos os dias. Foi tudo uma ilusão, só podia ser. Você deve dizer todas aquelas coisas pra todas as suas amigas, eu devo ter sido a única boba que resolveu acreditar. Hoje eu só quero esquecer tudo isso. Lembrar de você como um amigo, e só. Esquecer que um dia eu planejei um futuro brilhante pra nós dois. Amanhã, quando minhas esperanças forem renovadas por alguma surpresa sua, tudo o que eu vou querer é te escrever milhares de palavras doces. Mas hoje deixa eu ser amarga. Deixa eu dizer tudo o que tá preso aqui. E amanhã, quando eu estiver mais afim do que nunca, se você ainda quiser, mesmo depois de ter lido toda essa baboseira; mesmo depois de descobrir meus medos, minhas inseguranças; se amanhã, depois de ter descoberto o fantasma que me ronda, você ainda estiver disposto a lutar por mim e a ter medo de me perder, pode vir. Porque, mesmo hoje, quando eu deveria te odiar e não querer mais te ver, eu só consigo te amar. e amanhã... ah, amanhã, eu sei, esse amor vai ser mais forte que nunca.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

A estranha.

Ela sempre esteve comigo.
Quando eu precisei e quando não precisei.
Era minha amiga e uma estranha, ao mesmo tempo.
Sabia tudo da minha vida. Sabia mais até do que eu.
Vivia comigo, parecia estar do meu lado e mesmo assim me traiu.
Éramos super unidas, nossas ideias e ideais eram as mesmas. Não discordávamos em nada. Até que ele apareceu.
Concordamos logo de cara que ele era lindo e tinha tudo pra ser um bom partido. Logo nos tornamos amigos. Nós três. A estranha estava sempre conosco e me traiu diversas vezes.
A estranha sempre soube do meu medo de amar, sempre soube da minha mania de proteção.
Ela sempre me ajudou a construir e a manter meus muros que impediam qualquer um de se aproximar. Esse é o motivo da minha surpresa quando eu descobri que havia sido traída e que era tarde demais.
Suas traições eram sempre discretas. Enquanto eu fazia de tudo pra não cair na conversa dele, ela ia lá e me entregava, mostrando que eu estava afim. Quando minhas convicções diziam que era errado ligar depois do primeiro encontro, ela vinha e me entregava o telefone. Foi desse jeito, com seus conselhos e suas imposições, que a estranha me venceu e eu acabei entregando meu coração de bandeja.
Por isso eu estou aqui hoje deitada num mar de lágrimas porque ele foi embora sem dar aviso prévio. Se não fosse essa estranha, que me domina e me vence a cada dia, eu jamais teria acreditado em todas aquelas promessas. Por causa dela eu chorei, passei vergonha e gritei pra Deus e o mundo sentimentos que eu escondia até de mim.
E, apesar de todo mal que essa estranha me causou, eu não posso me livrar dela.
A estranha, minha amiga da onça, é uma louca varrida que vive dentro de mim.


Pauta pro BK.
eu acho que saí um pouco do tema, mas gostei do texto e resolvi publicar rs :)

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

e se fosse verdade.

Tudo aconteceu numa estação. Uma cena quase incomum naquele lugar com pessoas indo se esconder, fugindo ou indo mudar alguma coisa em algum lugar. As câmeras de segurança registraram tudo. Ele, um cara alto, agia de forma estranha, parecia nervoso, como alguém prestes a dizer alguma coisa que mude uma vida, ou duas. Carregava uma mala cor de rosa, provavelmente, da menina que a acompanhava. Ela tinha o olhar distante, como quem vai, mas vai sabendo que está deixando alguma coisa essencial pra trás. Eu queria poder contar com exatidão a cena que eu presenciei aquele dia, mas por mais que eu me esforçasse, perderia a essência. Vou registrar aqui tudo o que eles, ou melhor, tudo o que ele falou. Ainda não me recuperei plenamente, pode ser que eu deixe alguma coisa passar, mas eis aqui o que foi dito:
" - Não, não vai agora. Deixa eu dizer antes que o trem parta que você cresceu em mim de uma forma inesperada. Esse tempo todo que se passou sem você, só me fez ver que toda essa procura por alguém era inútil, você é o meu alguém. Sempre foi. E eu tive que perder pra dar valor. O quê?! Ah tá. Tarde demais, eu sei. Tudo bem, eu te amo tanto, tanto, tanto que te deixo livre. Se tiver que ser será, lembra?! Ah, boa época aquela em que a gente se via todos os dias e eu era seu melhor amigo. Você sempre me procurava pra me contar sobre os seus namoradinhos. O que tiver que ser será era nossa frase de guerra, lembra?! Éramos tão bobos e eu, tão feliz. Se eu soubesse antes que um dia você ia me fazer tanta falta um dia, eu sairia correndo atrás do seu carro naquele dia em que você se mudou. Desde então, nada nunca mais foi o mesmo sem você. Ah, o trem vai partir?! Mas não dá pra ir no próximo?! Fica mais um pouco, deixa eu aproveitar mais você. Ah, tem alguém te esperando, entendi. Então tá, mas por favor, quando você encontrar esse cara, diz pra ele que ele é o cara mais sortudo do mundo por ter alguém como você. Avisa pra ele cuidar bem de você porque se não, vai se ver comigo. O quê?! Tô parecendo uma criança falando assim?! Eu sei, é que você desperta em mim sentimentos incrivelmente ternos. É um amor diferente, sabe? Diferente de tudo o que eu já senti. É mais que carnal. É me importar com você. É fazer de tudo pra estar do seu lado. É querer cuidar de você. É amar por amar. Sem pedir nada em troca. O quê?! Não dá mais pra esperar? Então tá, vai lá. Só não esquece que você vai sempre ser a minha maior saudade. Ah, me desculpa. Ninguém merece ver um homem desse tamanho chorando, eu sei. Vai lá, não quero te atrapalhar. Mas, olha, quando a hora chegar, volta? O meu amor está acima das coisas desse mundo."
E ela foi embora. Sem dizer nada. Sem olhar pra trás. Com total indiferença. Não sei se ela foi chorando durante a viagem, se lembrou de todas aquelas palavras. As mais sinceras que eu já ouvi na vida. Mas naquele momento, nada me pareceu real, afinal, como alguém podia responder tão friamente a uma declaração daquelas?! Só depois que eu percebi, pelo modo que ela foi embora, que aquele olhar distante era medo de demonstrar todo aquele sentimento que ela havia guardado e escondido a sete chaves durante a vida toda. Ela estava cansada. Cansada de só dar e não receber. Cansada, principalmente, dessa história de amor. Foi então que aconteceu a coisa mais irreal de todas. Quando aquele cara estava indo embora, eu percebi que o conhecia. Era eu. Eu estava me vendo alguns anos a frente. Era eu me despedindo da pessoa que eu mais amo na vida. Eu nunca poderia permitir que ela fosse embora, que se perdesse de mim.
Eu não sei se foi um sonho ou se realmente estive naquela estação. Eu só sei que agora tudo vai ser diferente. Agora eu imagino como seria se a gente pudesse mesmo, sempre que quisesse, ir e voltar no tempo. Pra consertar erros, reconstruir sonhos e aproveitar pessoas que estão do nosso lado hoje e poderão não estar mais amanhã.

_______________________________________________

Pauta pro OUAT.
li um livro esses dias: SLAM, e nele o personagem ia e voltava no tempo, achei legal e resolvi fazer um assim rs. SIIIIIIIM, eu adoro histórias sobre despedidas rs.
ah, esqueci de dizer, meu texto "cedo ou tarde, a gente vai se encontrar" ganhou o primeiro lugar no OUAT *---------------*
ah gente, as provas me fizeram sumir daqui, mas agora eu voltei rs.
prometo responder comentários, ler toooodos os textos de vocês *-*

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

toda minha saudade e o meu amor de sempre.

 
















Parabéns. Por ontem, por hoje, por sempre.

Eu sei, o texto vai parecer super clichê, mas não é. Existem milhares de coisas que eu queria te dizer mas não sei colocar tudo em palavras. Qualquer coisa que eu venha dizer aqui não chegará nem perto de tudo o que você merece. Porque existem pessoas que merecem tudo de bom, mas existem (poucas) pessoas como você que merecem muito, muito mais. Porque você é O cara (oi, clichê rs). Você tem o poder de fazer com que as pessoas se sintam bem e, claro, comigo não foi diferente. Apesar de nunca ter demonstrado (eu acho), eu sempre me senti a vontade do seu lado, sempre preferi a sua companhia a qualquer outra, porque você era a minha fuga naqueles lugares com tanta gente e tão pouca afinidade. Apesar da nossa amizade anormal e estranha, eu sempre te considerei um amigo. Eu sempre soube que, apesar de me maltratar, zoar, etc, você, lá no fuuuuuuundo, gostava de mim. E eu via seus esforços em me fazer rir (o que nunca foi muito difícil) e eu ficava feliz, de verdade. E eu sinto falta disso. De ter você no meu pé, me estressando, mas me fazendo muito feliz. Sabe, durante esse ano que a gente passou sem se falar, eu achava que havia superado a sua falta, de vez em quando eu lembrava de você, mas depois passava. Hoje, agora que você se tornou sociável e a gente conversa com certa frequência, eu vejo como a minha vida era menos feliz sem você. E eu adoro. Adoro o jeito como você faz as coisas ficarem melhores. Adoro como você faz os outros parecerem bobos da corte quando tentam implicar comigo, porque, em matéria de implicância, todo mundo sabe que você é o rei. Adoro quando você tira o dia pra me elogiar. Adoro até o dia que você tira pra implicar comigo. Na verdade, adoro qualquer dia que você tire pelo menos dez minutos pra mim. Adoro a nossa amizade, principalmente isso de, ao contrário das demais, só aumentar com o tempo e a distância. Adoro suas piadas sem graça, nossas conversas e seus depoimentos. Adoro até suas (muitas) promessas não cumpridas. Enfim, eu adoro você. Tem um espaço aqui na minha vida reservado pra você, pro maior e melhor chato do mundo. Um dia, se me dessem direito a um pedido, eu ficaria suuuuuper em dúvida, é claro, mas lá no fundo, eu acho que acabaria desejando ter você do meu lado de novo. Pra dessa vez, quem sabe, aproveitar direito esse presente que a vida me deu. E, de repente, dessa vez desse tempo pra eu ser um presente na tua vida também, como uma vingança. Eu nunca quero me perder de você, eu preciso saber que, em algum lugar desse mundo, eu tenho você. Enfim, deixa eu só agradecer por ter aparecido na minha vida, por me fazer feliz e por ter estado disposto a me aturar. Você é incrível e, clichê dos clichês: EU TE AMO. E vou estar aqui todos os dias seja pro que for. Eu te amo, e isso parece nada perto do que eu sinto. Eu te amo e me sinto a pessoa mais sortuda do mundo por poder te chamar de amigo.


"Desenhos que a vida vai fazendo
Desbotam alguns, uns ficam iguais
Entre corações que tenho tatuados
De você me lembro mais
De você, não esqueço jamais... ♪"

_____ x _______
lá vamos nós para os meus ps's:
1- eu costumo colocar foto da pessoa, porém, na falta eu tive que fazer um desenho rs.
2- eu sei, ficou bem claro que eu não tenho nenhum talento pra desenhar.
3- sinceramente, eu espero que eu escreva melhor do que desenho rs :)

sábado, 7 de novembro de 2009

quando eu vi, tinha virado isso.

Não, não sou explícita. Nunca fui de distribuir abraços, palavras bonitinhas nem de sair por aí dizendo o que eu sentia pra Deus e o mundo. De que eu chamo isso? Proteção. Eu sempre vesti uma capa de menina durona, que não chora, não sente e não se abala, pra me proteger dos meninos comuns que têm aí fora. Era medo de mostrar que as minhas pernas tremem diante de qualquer um que me diga palavras bonitas, porque, provavelmente, se aproveitariam disso. Era medo de amar e amar demais, sozinha. Era medo de dizer o que eu sentia e que ficasse assim mesmo, só eu digo, só eu sinto. Mas aí, você apareceu. E como se ter aparecido não bastasse, você levou embora toda essa minha mania de proteção, meus medos e minha capa de durona. Você apareceu e me fez querer encontrar contigo em cada esquina só pra dizer uma centena de coisas que eu escondi enquanto insistia em me proteger. Eu nem sei se a gente vai ser alguma coisa além disso algum dia. Na verdade, eu nem sei se você é verdade ou se é mais uma na minha coleção de ilusões. Eu nem sei se depois de você eu vou continuar com minha mania de proteção. Eu só sei que eu ando por aí querendo gritar pro moço da padaria, pra tia da farmácia e pro trocador do ônibus, o quanto eu sou sortuda por ter encontrado você. Colocar outdoors nas ruas, fazer uma camiseta com sua foto, sair por aí com eu te amo escrito na testa. Até o sol lá fora faz parecer que brilha pra gritar por mim o quanto eu te amo. Eu te amo e não me importo mais se vou me machucar, amar demais ou me iludir no final. Sempre me disseram que faz parte da vida, então tá. Vamos lá, vamos jogar. Eu sei, posso chorar um dia, um mês ou um ano, mas depois, eu sei, vai passar. E tudo que vai sobrar é a sua lembrança e a lembrança do maior amor que já senti na vida. É isso, esse era pra ser mais um texto daqueles em que a mulher romântica sai de cena pra dar lugar a desiludida, mas não deu. Você faz despertar todo o romantismo que existe escondido em mim. Mas deixa eu te agradecer, meus textos só existem porque você existe. Minha inspiração, minha alegria. Tudo é você. E eu só sou eu mesma quando sou com você.

__________________


ps: sei lá, eu tenho medo desse texto. comecei a escrever uma coisa e virou isso aí, mas eu gostei, é muito verdadeiro rs :)

psoutro: aaaaaaaaaaah, ganhei o 1º lugar no PostIt! com o texto das estrelas *-----------*

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Cedo ou tarde, a gente se encontra.


Naquele dia no aeroporto, apesar de toda tristeza do momento, algo me dizia que as nossas vidas jamais seriam as mesmas. Ele, a melhor coisa que tinha acontecido na minha vida, estava indo embora pra outro país, outro continente, outra vida. Nos conhecíamos desde os tempos de jardim de infância, nos encontramos e nos desencontramos inúmeras vezes, até que, no nosso último reencontro, tivemos certeza de que o destino queria que ficássemos juntos. Daí o motivo da minha decepção quando aquele avião partiu. Ali, eu tive certeza, de que o destino era uma desculpa esfarrapada pra ficarmos juntos.

Tudo começou quando ele recebeu aquela proposta. Uma empresa em busca de 'novos escritores' foi parar no nosso colégio; fizeram um concurso de redação e, adivinhe quem ganhou?! Sim, ele. Mas o que ninguém podia imaginar era que um concurso ingênuo fosse trazer tantas surpresas. Na semana seguinte, a empresa entrou em contato com a família dele, oferecendo uma viagem pra Europa, pra estudar na melhor universidade da França com uma bolsa de 100% com direito a moradia e a levar os pais juntos. De fato, era uma proposta de uma nova vida. Nesse mesmo dia ele apareceu lá em casa, dizendo que precisava conversar comigo. Foi quando ele me disse sobre a bolsa. Perguntou o que eu achava, se eu achava que ele deveria ir. Como ele ousa a me perguntar uma coisa dessas?! Quem sou eu pra decidir o destino da pessoa que eu mais amo na vida?! Eu o disse pra fazer o que achasse melhor, que eu entenderia qualquer decisão que fosse tomada. Ficamos nesse clima tenso, abraçados, sem dizer nenhuma palavra. Naquele momento eu senti que aquele seria o nosso último momento junto. Quando a gente se despediu, em meio às lágrimas, eu apenas disse: 'eu acredito em você, eu sempre acreditei'. E, de fato, aquelas foram as palavras mais sinceras e mais dolorosas que eu já disse pra alguém.
Na semana seguinte, no aeroporto, demos início a nossa nova vida. Ele, na Europa, com outra vida, outras pessoas, sabe-se lá até quando. Eu, no mesmo lugar, com as mesmas pessoas, mas sem a pessoa que mais importa pra mim. Em meio à lágrimas, promessas de manter contato e palavras de conforto, nos despedimos do nosso amor com a certeza de que se o destino fosse mesmo o que dizem que é, daria um jeito de nos juntar novamente.
Mantivemos contato durante um tempo, até que foi ficando cada vez mais raro. Porém, hoje, quando eu achava que não tinha mais jeito, chegou um pacote aqui em casa: o primeiro livro dele. Me agarrei àquilo com tanta força que meus braços amassaram o papel. Era a primeira edição em português, com uma dedicatória que mais parecia uma carta e com o meu nome na parte de agradecimentos. Imediatamente comecei a ler, li tudo em um dia. Terminei aquele livro com as minhas esperanças no nosso amor, no destino e no nosso reencontro, renovadas. O livro era sobre uma menina e um menino que se reencontravam depois de dez anos separados. Na última página estava escrito o último diálogo:


" - Eu acredito em você, disse ela
- Eu acredito na gente
- Promete manter contato?
- Prometo te levar pra sempre comigo."

E na contra-capa tinha uma passagem de avião.
Quer saber? Seja destino, sorte, ou qualquer outra coisa, eu sei que nós vamos ficar sempre juntos. Aqui, na Europa, ou na China, se a gente tiver que se encontrar, a gente se encontra.


Pauta pro OUAT :)

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

brilha, brilha, estrelinha.

Certos amigos são como estrelas. Sim, estrelas. Estrelas que brilham todo dia, a toda hora. Estrelas que te orientam, te iluminam mesmo nas noites mais sombrias. Estrelas que te fazem acreditar que amanhã será um novo dia e o sol estará mais forte que antes. Estrelas que dizem tudo o que precisa ser dito, mesmo sem falarem, e no silêncio delas você compreende que elas estarão sempre ali, mesmo quando as noites forem sombrias e você não puder vê-las, você sabe que em algum lugar elas estarão torcendo por você.
As estrelas são como nenhum outro ser. Elas têm a capacidade de te fazer feliz só por estar contemplando-as. Estrelas, pra chamar de suas, não são tão fáceis de encontrar, mas uma vez que você as encontra você passa a ter tudo; mesmo quando tudo o que você tem são elas. Estrelas também têm esse poder: elas te fazem companhia quando o resto do mundo parece ter te esquecido. Elas conseguem te completar e suprir a necessidade que você tem de ter alguém por perto. Às vezes, até porque nem tudo são flores, você acaba se decepcionando com suas estrelas. Por incompreensão, por elas não terem comparecido na noite em que você mais precisou. A gente se decepciona porque acha que as nossas estrelas arrumaram um outro céu pra iluminar. Se decepciona com atitudes de algumas estrelas que querem brilhar mais que as outras e ofuscá-las. A gente se decepciona porque todo mundo, até as estrelas, erram. Mas aí quando você pensa em deixá-las ir procurarem um outro céu, uma outra vida, você pensa em como a sua vida seria menos feliz, menos iluminada, sem tê-las por perto. Então, você deixa de lado todas as decepções, simplesmente porque o seu amor por elas supera qualquer coisa. Estrelas te fazem ser a pessoa mais feliz do mundo.
Um céu estrelado é como uma vida de amizade. Não importa se você tem 1, 10 ou 100 estrelas no seu céu, o que importa de verdade é a intensidade do brilho que elas trazem a sua vida. Eu, você, nós, o mundo precisa de estrelas. Os dias e, sobretudo, as noites precisam de estrelas. E até mesmo as estrelas precisam de estrelas. Sozinhas elas não brilham, juntas elas resplandecem.
Que o seu céu seja repleto de estrelas que te iluminem, de verdade. Que a sua vida possa ser uma estrela na vida de alguém. E que as estrelas, brilhem. Hoje, depois e depois.


_______________________



Pauta pro PostIt, tema: amizade *-*

ah gente, eu estava tão sumida daqui :/

prometo responder comentários, visitar vocês, tô com saudade rs :p

beeeeeijos :*

ps: aaaaaah, o fim do ano tá chegando gente Ö.
isso me dá até vontade de fazer um texto rs :)

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

só me resta esperar.

- Eu só preciso quero que ele chegue. O cara que vai me fazer esquecer todas as coisas ruins que eu já vi. O cara que vai me fazer sentir protegida. O cara que vai me amar sem pedir nada em troca. É por ele que eu continuo aqui, esperando na linha de chegada. Eu só quero que ele venha e ganhe essa corrida maluca. Eu só quero que ele chegue mais rápido que esses caras comuns que fazem a gente acreditar numa porção de coisas e depois somem. Eu espero por ele, e é por ele, só por ele, que eu continuo aqui. Careta. Pateta. Ridícula. Acreditando piamente em príncipe encantado. Porque ele, vai me ensinar um tipo de amor que eu ainda não conheço. Aquele em que as duas partes amam de forma semelhante. Sem faltar nem sobrar amor em nenhum dos lados. Numa equação exata, balanceada. É por acreditar que ele vem que eu continuo aqui escrevendo bobagens, dizendo não. Eu me recuso a acreditar em qualquer um que me diga palavras bonitas. Eu quero mais. Mais que palavras. Eu quero provas. É por isso que eu continuo aqui. O cara que eu espero vai saber entender que essa minha ironia e esse meu senso de humor descontrolado é só uma maneira de mostrar que eu tenho medo de cair no jogo das pessoas. Ele vai saber como agir, vai saber o que falar, vai saber me decifrar. Quando ele vai chegar? Eu também não sei. Por isso que eu venho aqui todos os dias. Porque no meio de todo esse lixo eu ainda procuro o verdadeiro amor.

ps: ele pode ser um Ashton Kutcher se quiser rs :)

sábado, 31 de outubro de 2009

não, não é amor.

Decidimos que não era amor. E, de fato, não era. Mesmo quando a sua mão esbarrava sem jeito na minha como quem pede abrigo, não, não era amor. Tá certo, nunca foi amor, então. Mesmo todas aquelas coisas ditas, claro que não eram sobre amor, deviam ser sobre outra coisa que eu ainda não conheci. Mas se você quer assim, então tá, não é amor. Eu não me importo, eu deixo ser qualquer coisa que te mantenha do meu lado. Que te mantenha aqui, tornando o mundo um lugar mais fácil de se viver. Porque quando você está aqui, o resto do mundo parece parar pra assistir o fenômeno que acontece quando meus olhos, já cansados, encontram os seus. Quando você está comigo eu tenho vontade de ligar pra aquele cara mais novo, pra aquele mais velho, pra aquele outro e pro amigo dele, só pra dizer: cara, você acha mesmo que eu gostei de você?! coitado! É isso o que você faz. Você faz o resto do mundo parecer um pobre coitado sem a nossa sorte. E eu adoro. Adoro como o mundo fica coitado, fica de mentira, quando não é você. Eu nem me importo mais se é amor ou não. Você me faz bem e ponto. Deixa ser não-amor pra você, então. Pra mim, mesmo que parece muito com isso que eu chamo de amor, tá tudo bem. Eu me finjo de não-amor se for preciso pra te manter aqui. Prometo aprender direitinho. Mas não faz assim, não faz o mundo ficar colorido porque você é bobo. Não me diz aquelas coisas que você sabe tão bem que eu preciso ouvir. Não me faz querer passar cada segundo da minha vida contigo. Não faz com que esse amor sei lá o quê que eu sinto por você aumente. Sabe, é difícil pra mim usar essa capa de não-amor. Daqui a pouco ela não vai mais caber no meu coração e ele coitado, nasceu pro amor. Pro amor, sabe?! Mas, tudo bem, não é amor e pronto. Mas quando, por acidente, é claro, a sua mão encostar na minha eu vou deixar ela lá. Quem sabe eu consiga te mostrar que essa sua história de não-amor é só uma forma de dizer que precisa de mim como amiga e mulher. E que me ama tanto. Tanto. Tanto.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Nós.

Deixa eu te dizer antes que eu desista, que você cresceu em mim de uma forma inesperada. Em um dia você tinha um pequeno lugar no porão do meu coração e de repente, quando eu fui te procurar lá, você não estava mais. Já tinha se alastrado, como uma praga e dominava o lugar maior, a sala de controle. Eu juro que eu tentei te tirar de lá, eu soquei meu coração até ele diminuir só pra que você não se assustasse com o tamanho. Eu disfarcei e me escondi, por isso hoje eu tô aqui com esse turbilhão de coisas difíceis de serem ditas entaladas na minha garganta. Na verdade, eu sempre tive esse turbilhão de coisas bem guardadas aqui dentro de mim e elas nunca me incomodaram, mas hoje eu acordei com uma vontade irracional de colocá-las pra fora. Eu sei, quem diria, a menina calada e misteriosa resolveu abrir o jogo. É, estranho eu sei, mas se você fosse esperto o suficiente teria lido todas essas coisas no meu olhar, teria lido as entrelinhas das nossas conversas, teria entendido o meu nervosismo toda vez que eu falava contigo. Mas eu sei, você me via (e sentia) tanto que preferia fazer de conta que não via (e não sentia) nada. Eu só queria ser tua paz, te trazer alegria, pôr um sorriso no seu rosto, enquanto você fazia o mesmo por mim. Eu por você, você por mim. NÓS. NÓS, você consegue ver? tá, eu sei, nunca fomos nós, mas e daí?! eu acreditava. E como quem não desiste de príncipes encantados e finais felizes, eu queria continuar acreditando. E eu me esforcei pra nunca deixar de acreditar, até que um dia eu desisti. E isso é a coisa mais triste que eu tenho a dizer. Eu simplesmente desisti. De você. De NÓS. Foi triste mas aconteceu. Tinha que acontecer. Eu nunca entendi seu coração, nunca entendi suas palavras e nunca entendi seus olhos. Não me restaram muitas opções. Hoje ainda dói lembrar do futuro que eu havia planejado pra NÓS. Dói porque eu acreditava, de verdade. Acreditava que você fosse ser diferente. Que você não me deixaria ir embora. Que não me decepcionaria. Que jamais me trataria como se eu fosse mais uma na sua lista de conquistas baratas. Dói porque eu ainda te amo. E amo tanto. Tanto. Tanto. Mas eu supero, pode deixar. Um dia a gente vai se encontrar e eu vou te dizer, sem medo de me arrepender: tchau, querido mais um ser humano do planeta.



as partes em itálico são de outras pessoas :)
ps: odeio semanas de testes que me fazem sumir daqui ç.ç

domingo, 25 de outubro de 2009

1,2,3 lá vou eu.

Eu nunca gostei muito dessa história de brincar de pique-esconde e ter que encontrar as pessoas, sabe-se lá por que, mas eu sempre preferi me esconder e deixar que as pessoas me encontrassem.
Por isso, agora eu me pergunto, por que eu estou aqui procurando incessantemente por você? Em cada olhar, em cada sorriso, em cada palavra subentendida é você quem eu procuro encontrar. Já faz algum tempo que estou assim, te procurando, mas nada de você dar as caras. Já está na hora de aparecer. A brincadeira perde graça depois de um tempo, sabia? Se esconder demais faz as coisas ficarem chatas e as pessoas desistem de te procurar. Você não tem medo de que eu desista e te deixe escondido por aí achando que está bancando o esperto? Porque, eu confesso, que já senti vontade de te deixar escondido e sair correndo pra algum esconderijo só pra alguém tentar me encontrar. Já tive vontade, inúmeras vezes, de voltar aos tempos de criança e só precisar ficar lá, em silêncio, esperando até que alguém sentisse minha falta e fosse lá me encontrar. Mas aí, eu penso em como seria chato, só ficar escondida por aí, esperando. Eu perderia a parte legal da brincadeira.
Ficar escondida me tiraria a chance de desfrutar de todas essas trocas de olhares, de todos esses sorrisos esperançosos. Toda vez que eu penso em me esconder, penso que pode haver alguém especial esperando que eu o encontre. Então, instantaneamente, me pego batendo em alguma parede. 1,2,3, lá vou eu. Lá vou eu procurar alguém que eu nunca vi, lá vou eu encontrar alguém que faça meu coração bater mais forte. Lá vou eu à procura de alguém que esteja esperando por mim. Lá vou eu, e aviso logo que não pretendo desistir até um dia poder dar um grito de felicidade e finalmente dizer: 1,2,3, você.

"Searching all my days just to find you
I'm not sure who I'm looking for
I'll know it
When I see you"
__________________________
.
Oii gente, tô muito sem tempo e sem criatividade, então resolvi "ressuscitar" essa postagem que tem tudo a ver com o meu momento e pode ser que tenha a ver com vocês também :)
Tô muuuuito feliz com os comentários e elogioos, mtmtmt obrigada gente, voltem seeeeempre rs :* (07/09/09)

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

'despedida'

Tchau.
Eu sei que é um jeito estranho de começar uma carta, mas eu fiquei com medo de começar com um oi e acabar dizendo coisas que eu não queria. Tô escrevendo hoje pra me despedir e, dessa vez, torcendo pra que seja de verdade. Tô indo embora. Não dá mais pra ficar aqui esperando sua boa vontade pra falar comigo. Não dá mais pra ficar esperando por alguém que parece não voltar nunca. Cansei, mesmo. Tô indo embora pra outro lugar, pra outra vida. Tô indo procurar alguém que aceite abrigar meu coração. Não dá mesmo pra ficar. Eu juro que tentei, tentei lutar até o último segundo. Tentei achar possíveis motivos pra nossa distância, pras nossas faltas de encontros; fiz isso inúmeras vezes e doeu demais cada uma dessas vezes. Cansei, meu coração já tá aqui remendado, colado com um band-aid, mas ainda assim teima em não querer te deixar ir. Mas não dá mais, eu já decidi. Talvez, quando você estiver lendo essa carta eu já esteja longe demais pra você correr atrás. Desculpa se eu fui muito drástica, eu sei que eu não facilitei muito. Eu sei, eu só tornava tudo mais difícil, mas vê se tenta entender, eu só queria ter certeza do que você sentia. Eu queria que você lutasse por mim. Mas parece que você não estava tão disposto. Por isso parti. Ainda vou lembrar de você toda vez que olhar uma foto, escutar seu nome ou encontrar alguém parecido contigo, e cada uma dessas lembranças vai doer em lugares que eu nem sabia que eu tinha. Mas eu consigo superar. Afinal, você é só um cara, talvez o cara mais legal do mundo, mas não deixa de ser um cara, e eu, ah, eu já esqueci muitos caras antes, posso esquecer você também. Desculpa se eu escrevi demais. Desculpa por te fazer perder seu tempo lendo essas coisas bobas. Desculpa, mas antes de fechar esse envelope, deixa eu te agradecer por ter acreditado em mim e por ter gastado algumas horas do teu tempo comigo. De uma forma ou de outra, eu sei que eu devo ser importante pra você e talvez você até sofra um pouco com essa despedida. Na verdade, é isso o que eu espero. Mas não precisa responder essa carta pra me dizer o que você sentiu. Porque pode ser que você não tenha sentido absolutamente nada e eu acabaria me decepcionando, de novo. Vou guardar uma última imagem sua na minha mente: você, sentado com a minha carta na mão, chorando, não por causa de mim, mas por causa do fim da nossa possibilidade de amor. E eu vou fazer dessa imagem o meu castelo forte. Se puder, tente não guardar uma imagem ruim de mim, não pense em uma pessoa que só pensa em si e resolve terminar o que nunca chegou a acontecer, por carta. Eu sei foi um ato covarde, mas se eu estivesse frente a frente com você, eu certamente não conseguiria. Depois de tanto tempo longe, meus braços pediriam pra te envolver, minhas mãos pra te tocar e minha boca pra nada além de te beijar. Por favor, se puder, guarde em você a minha imagem escrevendo essa carta sentada numa cadeira em frente ao computador, chorando por cada palavra. Pode lembrar de mim como alguém que sempre esteve do outro lado do computador torcendo por você, esperando pra poder falar contigo. Mas lembra de mim, sobretudo, como alguém que esteve disposta a lutar por tudo o que sentia por você, mesmo sabendo que isso ia contra uma centena de coisas que eu tinha por certas.
um beijo. Um abraço.

ps: suplico que não me mate dentro de ti.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

inútil.

A primeira coisa que fez foi entrar numa farmácia. Algumas pessoas, quando estão deprimidas, compram chocolates, sorvete e sapatos, mas pra Fernanda, havia o medo de engordar junto com a falta dinheiro, resolveu então entrar numa farmácia. Esmaltes. Era tudo o que precisava pra levantar o astral depois do dia que tivera.

Carol, estava numa livraria, atrás daqueles livros que contam histórias perfeitas, com pessoas perfeitas, sobre encontros perfeitos. Carol era assim, quando a vida estava dura demais aqui fora, ela caía pra dentro de um livro.

Fernanda era alta, magra, e chamava a atenção por onde ia, com seus cabelos longos e castanhos.

Carol era exatamente o contrário, nem alta nem baixa, nem feia nem bonita, com cabelos normais. Carol era exatamente normal demais.

Fernanda, antes de entrar naquela farmácia, havia terminado o namoro de um ano, porque descobriu que ele a traía.

Carol estava procurando um consolo nos livros pra sua falta de sorte com os garotos.

Fernanda decidiu sair por aí procurando alguém melhor que o ex. Beijando um monte de 'sapos', como ela mesmo prefere dizer, até conseguir encontrar o encaixe perfeito.

Carol ainda está lá, mergulhada em mais um de seus livros com histórias perfeitas. Continua esperando o tal príncipe encantado. Tem guardado cartas, versos e beijos só pra ele.
_________
Como eu não queria deixar de postar hoje, postei essa coisinha aí que eu já tinha pronta faz algum tempo rs :)
A criatividade e a inspiração andam bem longe de mim ultimamente (principalmente a inspiração, se é que vocês que me entendem) e eu tenho alguns muitos trabalhos pra entregar mais um livro chato pra ler, me perdoem os que gostam, mas eu odeio clássicos rs :)
beeeeeijo, meu povo *-*
apesar da falta de tempo, tô sempre aqui :*

poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...